Pular para o conteúdo principal

O natimorto


          Ela tinha pouco mais de 18 anos e trabalhava como empregada doméstica num apartamento localizado na avenida Julio de Mesquita, Cambuí. Morava no local. A família para quem ela trabalhava era composta de pai, mãe e dois filhos, bem pequenos. O casal era muito católico.



          Ela conheceu um rapaz e iniciaram um namoro. Engravidou. O namorado desapareceu. Ela conseguiu ocultar a gravidez dos patrões durante todo o tempo, até dar à luz, quando ocorreu o fato que foi classificado como crime de infanticídio.

          Um final de semana, o casal foi participar de um retiro espiritual, com início na sexta-feira e término no domingo. Ela ficou com as crianças. Nesse final de semana, sentiu as contrações – e as dores também – do parto. Foi ao banheiro. Deu à luz. Desesperada, asfixiou o recém-nascido[1]. Foi à cozinha. Apanhou uma faca. Retornou ao banheiro. Tentou desmembrar o bebê. Não conseguiu. Pôs o corpo, com as marcas das tentativas de corte, num saco de plástico daqueles para acondicionar lixo e o embrulho macabro foi colocado num armário.

          O casal retornou do retiro. No dia seguinte, a mulher sentiu um cheiro estranho, muito forte. Começou a procurar. Encontrou o embrulho funesto. Chamou o marido. Ambos chamaram o padre, que era o guia espiritual da família e que havia presidido o retiro do final de semana. O religioso conversou com a moça. Ela relatou toda a história. Foi instaurado inquérito policial. Remetido a juízo, ela foi denunciada pelo crime de infanticídio. A esta altura, já tinha desaparecido: deixara o emprego, voltando para sua terra natal, no nordeste.

                        Não encontrada pessoalmente, foi citada por edital. Obviamente, não atendeu ao chamamento. A defesa coube à AJ, por mim. Fui examinar os autos. O laudo necroscópico dizia que fora examinado um “natimorto”. Exultei: crime impossível[2]. Na defesa prévia, arrolei o médico-legista que fizera a perícia, na qualidade de perito executor, como testemunha de defesa. Esqueci da advertência do “sumo mestre de Pisa”, Francesco Carrara: “os peritos, fiéis sempre ao seu dever de dizer o que queira o acusador e de encobrir com suposições sua própria ignorância, proclamaram que o fato era impossível...”[3].

          Ao ser ouvido em juízo, o perito disse que a expressão “natimorto” constante do laudo era explicada pelo seguinte: como se tratava do corpo de um recém-nascido que não fora registrado, a praxe era colocar natimorto, mas que a criança houvera nascido, sim, com vida, o que pôde ser constatado pela perícia. Indaguei quais as perícias que foram realizadas no “natimorto” e ele explicou (as famosas docimasias), embora no laudo nada disso tenha sido registrado.

          Não pude utilizar a tese de crime impossível por apenas um motivo: a prescrição[4] extinguiu a punibilidade. É que ela era menor de 21 anos, o que provoca a redução de metade do prazo prescricional. O Estado perdeu o poder-dever de punir pelo decurso do tempo. Ela não chegou a ser julgada pelos sete jurados.








[1] . O crime é de infanticídio: Código Penal, artigo 123, com pena de 2 a 6 anos de detenção.


[2] . Artigo 17 do Código Penal: “não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio, ou por absoluta impropriedade do objeto, é impossível consumar-se o crime”. Não se mata um morto; não se faz aborto em mulher que não está grávida.


[3] . O impossível referido por Carrara não tem nada a ver com o “crime impossível” e sim com uma afirmação dos peritos num caso em que ele trabalhou: os peritos disseram que era impossível e Carrara demonstrou o contrário.


[4] . Prescrição é a perda do “jus puniendi” pelo decurso do tempo.
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …