Pular para o conteúdo principal

Segunda-feira sem chuva

Depois de muita ameaça de chuva - e os metereologistas afirmavam que choveria -, parece que o dia se encerrará sem "precipitações" (para usar o jargão antigo). Foi possível dar uma "esticada" até a praça para ler mais um pouco o livro "Steve Jobs", de Walter Isaacson. É interessante conhecer a história do criador da Apple, do iPad, iPod, iPhone e do primeiro dos "ultrabooks", o MacBookAir, o primeiro dos "notes" mais finos. É impossível, ao conhecer a sua história, não fazer uma comparação com a de um dos criadores do Facebook, Mark Zuckerberg (um dos criadores porque o brasileiro Eduardo Saverin ajudou na concepção desse "produto") e pode-se concluir que ambos foram pessoas que, a par das criações magníficas que tiveram, eram difíceis de caráter: ambos, em suas trajetórias, pisaram em outras pessoas.
O livro sobre Jobs explica até o porque do símbolo da Apple ser uma maçã mordida. Não se pode esquecer que outros gênios, desta vez da música, The Beatles, tinham uma gravadora também chamada Apple e cujo logotipo era semelhante, o que motivou um processo na justiça inglesa contra a empresa estadounidense.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …