Pular para o conteúdo principal

Tênis brasileiro

Mais um brasileiro, desta vez Ricardo Mello, foi eliminado do Australian Open. Como era esperado, ele foi eliminado por Jo-Wilfried Tsonga, por três sets a zero. Não foi tão feio, porque Ricardo conseguiu fazer alguns "games".
Neste exato momento, o terceiro - e último - brasileiro, Thomaz Bellucci, foi eliminado por outro francês, Gael Monfils, por três "sets" a um.
É lamentável que num país que teve um jogador do porte do Guga, o tênis esteja presentemente "jogado às traças". Guga é um dos maiores jogadores de todos os tempos, estando no panteão dos vencedores. Ficou por 42 semanas como número um do mundo e abocanhou 12 milhões de dólares apenas em premiação (excluída a verba de patrocínio). Foi o único sul-americano a conseguir a proeza de permanecer tanto tempo na liderança do ranking (antes dele, Marcelo Ríos - chileno - havia sido o primeiro, porém de forma efêmera).
Para traçar uma comparação que incomoda: a Argentina tem 6 entre os 100 primeiros do ranking da ATP; o Brasil, apenas um (Bellucci é o 37º do mundo). O maior tenista argentino de todos os tempos foi o sensacional Guillermo Vilas, que não brilhou tanto quanto Guga. Qual é a explicação para a atual situação? Não sei, mas suponho que falte incentivo governamental. Por todos os cantos há campos de futebol; quadra de tênis, nenhuma, ou, na melhor das hipóteses, pouquíssimas.
Há um vídeo no youtube que mostra o descaso: Lula e Cabral são abordados por um garoto (como Cabral disse na hora) que cobra incentivo ao tênis e é praticamente escorraçado por esses dois enganadores. O Molusco chama o tênis de esporte da "burguesia" e Cabral chama o menino de "sacana". O endereço está abaixo.

http://youtu.be/VlKT5CEgnqs

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …