Pular para o conteúdo principal

Terça-feira

Mais um dia em que a chuva promete estar presente; ao menos, ameaça.
As boas notícias: Bellucci derrotou o seu algoz (que o havia vencido nos dois conrontos anteriores, um deles no US Open), o israelense Dudi Sela; má notícia: na próxima fase enfrentará o francês Gael Monfils. Ricardo Mello também venceu e na próxima fase enfrentará o francês Tsonga. O terceiro brasileiro, João Souza, o "Feijão", foi derrotado. A não ser que ocorra um milagre, em breve o Brasil não terá mais nenhum jogador no Australian Open.
Algo que tem chamado a atenção da mídia - o que é lamentável - é o tal "estupro" de que teria sido vítima uma participante desse lixo chamado "BBB". Se George Orwell fosse vivo, certamente desencarnaria ao ver o uso que estão fazendo com o nome criado por ele. Mas servirá para demonstrar o absurdo da legislação penal a partir da reforma realizada no ano de 2009, pela lei n° 12.015. A participante teria sido submetida a conjunção carnal enquanto estava alcoolizada, o que a torna "pessoa vulnerável". No "estupro de vulnerável", a ação penal é pública, o que vale dizer, independe de vontade da vítima a ação estatal. Ou seja, o participante poderá ser processado independentemente da vontade da "vítima". Coincidentemente, ouvi hoje na Rádio Globo AM um pedaço de entrevista da participante negando que tivesse havido conjunção carnal, admitindo, todavia, a prática de atos libidinosos: ora, se ela sabia o que estava fazendo, não se pode afirmar que o seu estado de embriaguez fosse tal que suprimisse a sua capacidade de entendimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto