Pular para o conteúdo principal

O poder da mídia

Tenho escrito textos aqui acerca do poder da mídia quando noticia crimes: ele é devastador, chegando a representar até a condenação ou a absolvição de uma pessoa. Fazendo uma superexposição do acusado (em algumas situações, mero suspeito), chamando-o de "bandido" (como, creio, consta até do manual de redação de alguns órgãos da mídia), "marginal" e outros epítetos, ela faz um pré-julgamento da pessoa. Alguns órgãos de imprensa - FOLHA DE SÃO PAULO, por exemplo - referem-se à pessoa como "suposto traficante", "suposto homicida", etc. Às vezes a pessoa acusada é absolvida, mas essa superexposição faz com que o julgamento moral a condene e essa condenação nunca prescreve. Até hoje recebo um e-mail (o que me enfurece) apontando um estudante de medicina da USP que foi investigado sobre a morte por afogamento de um calouro da mesma faculdade, numa piscina, durante uma festa, ao que parece resultante de um trote. Ele não chegou a ser julgado (o inquérito foi arquivado) e o e-mail alerta para que o fato não seja esquecido e aponta onde o agora médico trabalha. As pessoas que enviam esse e-mail, certamente influenciadas pela mídia, não respeitam sequer as manifestações dos órgãos estatais, que optaram pelo arquivamento.
Outro exemplo: a chamada "fraudadora-mor" do INSS, Jorgina, que foi condenada e teve os bens arrestados (e leiloados, segundo se noticiou), foi nomeada para um cargo no estado do Rio de Janeiro. O e-mail chama isso de absurdo, mas o absurdo está contido no próprio e-mail: se a pessoa foi condenada, cumpriu a pena que lhe foi imposta, foi considerada reabilitada (pode-se chamar de "reeducada") e depois foi nomeada para um cargo, qual é o problema? Na visão canhestra das pessoas que enviam esse tipo de e-mail, os efeitos da condenação deveriam ser perpétuos, o que não se coaduna com as leis brasileiras (penal, processual penal e de execução penal0.
Essas ideias me vieram quando vi sem querer (enquanto "zapeava") um ex-famoso costureiro, que, num programa veiculado numa emissora de televisão que obtém "traço" de audiência, dava "alfinetadas" em pessoas famosas. Imediatamente lembrei de seu envolvimento numa ocorrência policial, consistente em furtar objetos de um cemitério paulistano: ele foi apanhado em flagrante quando se retirava do local carregando alguns objetos. Processado, foi absolvido. Mas até hoje carrega a mácula de "ladrão de cemitério" (foi assim que a ele se referiu um apresentador de um programa de rádio - numa emissora AM).
Não é curioso? Já dizia o filósofo: "homo hominis lupus" (frase atribuída a Plauto e popularizada por Hobbes).



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …