Pular para o conteúdo principal

Projeto do CP - princípio da insignificância

O projeto de Código Penal pretende inovar em muitos pontos - alguns já apontados aqui. E a comissão que o redigiu houve por bem introduzir na legislação o princípio da insignificância. Sobre o que seja princípio, valham as lições de Miguel Reale, em "Filosofia do Direito": "princípios são, pois, verdades ou juízos fundamentais que servem de alicerce ou de garantia de certeza a um conjunto de juízos, ordenados em um sistema de conceitos relativos a dada porção da realidade" (volume 1, página 54).
O princípio da insignificância (ou da bagatela, como dizem alguns) foi formulado por Claus Roxin na década de 60 e, segundo ele, fundamentava-se na máxima romana "de minimis non curat praetor": quando a lesão ao bem jurídico for mínima, insignificante, não deve formar-se a tipicidade. Assim, uma lesão corporal levíssima ou uma porção mínima de entorpecente não deveriam ser objeto de punição. Quando ao crime de furto, Nélson Hungria já se manifestava na década de 50 no mesmo sentido, sem, porém fazer qualquer alusão ao nome, que, como dito, foi mais tarde criado por Roxin (Hungria dizia que o objeto material do crime de furto - a coisa alheia móvel - deveria ter algum significado econômico; dizia ele que a subtração de um grampo de cabelo não consistiria em furto). O primeiro autor brasileiro a tratar do tema foi Francisco de Assis Toledo, em sua obra "Princípios básicos de Direito Penal", em que ele dava um exemplo consistente em subtração de uma resma de papel praticada por um funcionário público, que, por isso, se viu processado por peculato. A jurisprudência brasileira demorou muito tempo para começar a aceitar e aplicar tal princípio, tendo os tribunais superiores (STJ e STF) formulado alguns requisitos, além da insignificância da lesão ao bem jurídico, para aplicá-lo. Um dos primeiros casos em que o STF aplicou o princípio da insignificância foi o referente a um furto de boné: condenado o autor da subtração e concedida a suspensão condicional da pena ("sursis"), o réu não compareceu na audiência de advertência, tendo a suspensão ficado sem efeito e expedido mandado de prisão. Requerida uma ordem de "habeas corpus", foi concedida medida liminar.
O princípio deixará de ser assim considerado caso o projeto venha a ser aprovado e convertido em lei. Passará a ter aplicação obrigatória e não uma mera forma de interpretação da lei.
Ele está no artigo 28, exclusão do fato criminoso, no artigo, portanto, que trata das até agora chamadas "causas de exclusão da ilicitude" (estrito cumprimento do dever legal, exercício regular de direito, estado de necessidade e legítima defesa), mais precisamente no parágrafo 1º:
Princípio da insignificância
§ 1º Também não haverá fato delituoso quando cumulativamente se verificarem as seguintes condições:
a) mínima ofensividade da conduta do agente;
b) reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento;
c) inexpressividade da lesão jurídica provocada.
Como se vê, a comissão acrescentou à exigência da insignificância da lesõ, originariamente formulada por Roxin, os outros requisitos que têm sido exigidos pelos tribunais superiores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …