Pular para o conteúdo principal

As mortes do prefeito (capítulo 6)


Uma semana após o homicídio, foram ouvidos dois adolescentes, um de 15 anos de idade, outro de 16, ambos “moradores de rua”, declarando como endereço residencial “embaixo do viaduto Lauro Péricles Gonçalves” (“Viaduto do Laurão” – “sic”). O primeiro a ser ouvido narrou a seguinte história: dirigia-se, em companhia do outro, ao Parque Brasília, e quando estavam defronte a concessionária Adara, próxima ao shopping, “viu que um veículo GM Vectra de cor cinza, modelo antigo, desceu a avenida que liga o shopping à rodovia D. Pedro I em alta velocidade, parando próximo ao canteiro que existe em frente à concessionária Adara”; o veículo era ocupado por duas pessoas; não viu o motorista, não podendo, portanto, descrevê-lo; o seu amigo afirmou-lhe que tinha visto tal pessoa algumas vezes na Vila Brandina e no Parque Brasília; a segunda pessoa - portanto, não era o motorista – um negro, estatura mediana, trajando bermuda e camiseta preta, além de um gorro preto na cabeça, desceu do Vectra com uma arma na mão e se posicionou atrás de uma placa de propaganda  existente no meio do canteiro, ficando ali a observar por alguns instantes; não ouviu tiros, pois tapou os ouvidos com as mãos, após jogar-se ao chão; alguns instantes depois levantou-se e “viu que o sujeito que descera do Vectra voltava do lugar onde o Fiat Palio havia parado, trazendo nas mãos algo semelhante a uma prancheta ou a uma pasta, de cor branca”. Disse, ainda, que a pessoa que apanhara a pasta correu em direção ao Vectra; este andou em marcha-ré para apanhá-la, tendo a pessoa adentrado o veículo, que saiu em disparada pela estrada que liga o shopping ao Parque Brasília.
                        O segundo adolescente a ser ouvido e que era o acompanhante do primeiro, descreveu, em linhas gerais, o mesmo que dissera o outro adolescente, especialmente quanto ao veículo, a velocidade e a direção, reafirmando que tal veículo parou no canteiro central; afirmou ter visto o motorista e o descreveu assim: branco, cabelos escuros e curtos, topete loiro. Disse tê-lo visto algumas vezes na Vila Brandina e no Parque Brasília, tendo-o visto pela última vez no dia 14 de setembro – 3 dias antes, portanto – no semáforo do Shopping Iguatemi: nessa ocasião essa pessoa conduzia um veículo VW Golf, de cor vermelha. O segundo ocupante do veículo foi descrito da mesma forma como o descreveu o primeiro adolescente, distanciando-se porém no que consta aos tiros propriamente ditos: declarou que surgiu um Fiat Palio , cuja cor não se recordava, e que quando este veículo se aproximou da lombada ali existente, “o indivíduo se aproximou sorrateiramente e disparou duas vezes contra o motorista do Pálio e que este veículo, após os disparos, continuou descendo a avenida em baixa velocidade, subiu no barranco que fica em frente à Adara, do outro lado da avenida e parou em seguida; o indivíduo que disparou contra o veículo desceu a avenida em direção ao Palio, não sabendo dizer se houve mais algum disparo, mas que viu quando o sujeito voltou trazendo nas mãos algo semelhante a uma prancheta ou uma pasta. O atirador voltou correndo para o Vectra, que voltou um trecho em marcha ré para buscá-lo; após adentrá-lo, o veículo partiu em disparada pela estrada que liga a avenida do shopping ao Parque Brasília.
                        Pode-se dizer que as narrativas dos adolescentes formam a primeira versão sobre a morte do prefeito.

           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …