Pular para o conteúdo principal

A vida de PI


No ano de 2004, tomei conhecimento de uma polêmica envolvendo dois escritores, um canadense (de origem espanhola), o outro brasileiro, um médico gaúcho, acerca da ideia central de um livro. O canadense era (ainda é, óbvio) Yann Martel; o brasileiro, Moacyr Scliar. Falou-se em plágio; o escritor brasileiro, educadamente, disse em entrevista que não se plagiam ideias. O canadense fez um agradecimento em seu livro ao brasileiro: "quanto à centelha de inspiração, devo-a a Moacyr Scliar"(página 12). 
            A polêmica envolvia o tema central de uma história: um naufrágio e dois sobreviventes num bote salva-vidas. Os dois náufragos eram um homem e um animal. A polêmica foi habilmente resolvida e, tocado pela curiosidade, adquiri a obra do canadense, cujo nome era “A vida de Pi”. Numa singela linha ele, no prefácio, faz um agradecimento ao autor gaúcho. (Talvez esta tenha sido a solução da polêmica.) O livro do gaúcho se chamava "Max e os felinos. Comprei o do escritor canadense. Fiquei encantado com a leitura. Por que Pi? Um tio dele viveu em Paris e gostava de nadar, somente podia praticar esse esporte em piscinas públicas, que eram imundas. A única limpa chamava-se Piscine Molitor. O pai de Pi colocou-lhe este nome: Piscine Molitor Patel, apelido Pi.
            Algo semelhante em matéria de livro tinha ocorrido comigo 5 anos antes. Eu cursava Espanhol numa escola defronte ao prédio em que morava e resolvi adquirir um livro escrito nessa língua para praticar. Numa busca pela internet localizei um livro escrito por Stephen King (de quem eu já era fã) traduzido ao espanhol e resolvi compra-lo. Pesquisando sobre ele, descobri que o “mestre do terror” estadunidense havia firmado um contrato inédito com a editora: escreveria o livro em cinco partes. A edição que eu compraria trazia todos os volumes. Nome da obra: “El pasillo de la muerte”. No original: “The green mile”; em português: “À espera de um milagre”. Comecei a lê-lo e não conseguia mais parar. Tomei conhecimento, enquanto o lia, que ele estava sendo filmado e, curiosamente, o diretor era o mesmo que houvera dirigido outro filme baseado também em livro de Stephen King: Frank Darabont. O nome do filme: “Um sonho de liberdade”, com Tim Robbins e Morgan Freeman, entre outros. Foi indicado ao Oscar, porém não venceu. Quase todo o filme se passa no interior de uma prisão. O segundo filme dirigido por Frank Darabont também tem se passa quase inteiramente no interior de uma prisão e também foi indicado ao Oscar mas não venceu. Nele trabalham Tom Hanks, Michael Clarck Duncan (falecido em 2012 aos 54 anos), David Morse.
            Voltando ao livro “A vida de Pi”: ele retrata – conforme o nome já deixa antever – a vida de um garoto indiano que sobreviveu ao naufrágio do navio-cargueiro em que viajava com a sua família e vários animais que compunham o plantel do zoológico que o seu pai tinha na Índia. Principalmente a parte da sua vida em que ele está compartilhando o bote com o tigre: foram (para ele) extensos 387 dias.  O nome do tigre era nome de pessoa: Richard Parker. E ele resultou de um engano: um caçador foi contratado para abater um tigre que estava atacando pessoas. Ele se pôs de tocaia para realizar o trabalho, nas proximidades de um lago. Viu um tigre. Mirou. Surgiu um filhote, que correu para beber água. O caçador capturou-o. Foi registrar o feito na repartição pública. O funcionário equivocou-se: colocou como nome do tigre Richard Parker (que era o nome do caçador) e como nome do caçador Sedento (este seria o nome do filhote no registro por causa da sua sede).
            Os direitos de filmagem sobre o livro foram adquiridos e vários diretores foram contatados, mas declinaram do convite porque seria uma tarefa muito difícil. Por fim, o consagrado diretor Ang Lee (“Brokebeck Mountain”) aceitou. Em entrevista, confirmou que é muito difícil filmar na água (em recente entrevista, Naomi Watts, vencedora do Globo de Ouro por sua atuação em “O impossível”, fez a mesma afirmação: é muito difícil filmar na água). O filme demorou 4 anos para ser feito e resultou numa obra prima que concorreu ao “Globo de Ouro” (levou melhor trilha sonora original) e e concorre ao “Oscar”.
            Como sempre ocorre, a adaptação foi boa, mas o livro é melhor (tal qual ocorreu com “À espera de um milagre”). Algumas partes foram suprimidas (como a das tartarugas marinhas), outras minimizadas (como a do tigre em sua jaula atacando uma cabra). Ademais, a leitura força a imaginação, conforme disse de forma brilhante o escritor estadunidense Paulo Auster: "fugir para dentro de um filme não é como fugir para dentro de um livro. Os livros nos obrigam  a dar algo em troca, a exercitar a inteligência e a imaginação; ao passo que podemos ver um filme – e até gostar – num estado de passividade mecânica” (“Homem no escuro”, página 19). 


  (Fotos das capas dos livros de Yann Martel e de Moacyr Scliar.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto