Pular para o conteúdo principal

Alguns não voltaram

A Lei de Execução Penal é do ano de 1984, tendo entrado em vigor no ano seguinte, 1985, com um período de "vacatio legis" de 180 dias: é que ela trouxe tantas inovações que, no entender do autor da iniciativa legislativa, era necessário tal prazo para que as instituições que se a aplicam se adaptassem "ao novo tempo".
O Brasil somente teve uma lei de execução penal 484 anos depois de seu descobrimento: antes disso, o cumprimento da pena era - por assim dizer - um mero apêndice administrativo, ou seja, a execução da pena não tinha uma feição judicial. Havia um decreto federal que regulamentava o cumprimento da pena.
Durante o último ciclo da ditadura militar, houve a ideia de fazer uma reforma em toda a legislação penal: seria redigido um projeto de Código Penal, Parte Geral; um projeto de Código de Processo Penal; e um projeto de Lei de Execução Penal. Não se pode deixar de registrar aqui que o Código Penal era de 1940 - um decreto-lei de Getúlio Vargas, um ditador civil; o Código de Processo Penal era de 1941 - outro decreto-lei, também do mesmo ditador; e havia uma Lei das Contravenções Penais também de 1941 - decreto-lei do mesmo ditador.
Os três projetos foram redigidos, tendo sido os dois primeiros - Código Penal e Lei de Execução Penal - foram aprovados pelo Congresso Nacional: são leis. O Código de Processo Penal não foi aprovado, e, finalmente, foi redigido um projeto de Código Penal, Parte Especial, que também não foi aprovado. Apenas a título de ilustração, este projeto representava um grande avanço em algumas áreas - passava a permitir uma forma de eutanásia, por exemplo.
Como dito, a lei de execução penal foi a primeira que teve o Brasil desde o seu descobrimento e dentre as novidades que ela criou foi, por exemplo, a remição, importada da Espanha: a cada 3 dias trabalhados, abatia-se um dia da pena (hoje o estudo também serve para esse "abatimento"). Outra novidade foi a conversão da pena privativa de liberdade (uma parte dela) em pena restritiva de direito.
Um grande novidade foi a permissão de saída temporária: os condenados que estiverem cumprindo a pena (privativa de liberdade, óbvio) em regime semi-aberto (colônia agrícola, industrial ou similar) poderão "obter autorização para saída temporária  do estabelecimento, sem vigilância direta, nos seguintes casos: I - visita à família", conforme está escrito no artigo 122 (existem dois outras hipóteses, mas a que interessa aqui é a visita à família). A autorização - agora é a dicção do artigo 123 - "será concedida por ato motivado do juiz da execução, ouvidos o Ministério Público e a administração penitenciária, e dependerá dos seguintes requisitos: I - comportamento adequado; II - cumprimento mínimo de um sexto da pena, se o condenado for primário, e um quarto, se reincidente; III - compatibilidade do benefício com os objetivos da pena". Ato motivado do juiz da execução. Pode ser concedida por até 5 vezes durante o ano, cada uma por prazo não superior a 7 dias; durante a saída poderá o condenado ser submetido a monitoração eletrônica (artigo 122, § único).
Pois bem: a cada saída temporária, como se constata e é absolutamente normal, alguns presos não voltam e isto serve de mote para que uma parte da mídia (principalmente uma emissora de rádio AM de São Paulo conforme citei no texto blogado no dia 23/1/13) desencadeie uma campanha contra esse benefício.
Sabe-se que esse instituto de excução penal tem como - a própria lei diz isso - atingir o objetivo da pena, que é a ressocialização, e não existe nada mais ressocializador do que conviver com a família (eu disse isso também no texto blogado a 23/1/13 - dentre os controles sociais informais está a família). Nils Christie, norueguês, numa magnífica obra chamada "Limits to pain" - não existe tradução em português, somente em espanhol: "Los límites del dolor" - descreve o abandono pela família que sofriam os presos em Cuba condenados a longas penas: com o passar do tempo as visitas dos familiares começavam a escassear, até cessar.
Na mais recente saída temporária, a para as festas natalinas de 2012, 5% dos que saíram não voltaram e isso bastou para que manchetes fossem estampadas apregoando isso, algumas iniciando campanhas para que a lei nesse ponto seja revogada e não mais exista a saída temporária. Vamos falar em números: a inadimplência das famílias endividadas foi de 15,3% - a inadimplência é um ilícito civil. Em 2010, das novas empresas 16,3% faliram - a falência é um ilícito.A previsão da inflação para 2012 era de 5,46%. Quando essa porcentagem se refere a pessoas, presos, que estão "saboreando" um pouco de liberdade, ela é irrisória. Pretender que todos voltem é dar atestado de ignorância sobre a natureza humana.
O preso que não retornou abandonou o cumprimento da pena e fatalmente regredirá ao regime mais severo, o fechado. O não retorno não é crime: é falta grave que acarreta a regressão.
Querer revogar o benefício por conta de 5% é, no mínimo, desrespeitar o princípio da igualdade: os outros 95% que retornaram e se mostraram dignos de receber o benefício serão prejudicados. Não é difícil enxergar isso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto