Pular para o conteúdo principal

Morto durante o mandato



            Campinas viveu no dia 10 de setembro de 2001, por volta de 22 horas e 15 minutos, o mais rumoroso fato de sua história: a morte do prefeito Antônio da Costa Santos, conhecido como “Toninho do PT”, que houvera tomado posse no dia 1º da janeiro daquele ano, após vencer a eleição no segundo turno. Mais rumoroso porque nunca antes (e nem depois, diga-se) um prefeito foi morto durante o exercício do mandato.
            Naquela fatídica noite (era uma segunda-feira), após cumprir o seu dia de trabalho, ele foi à academia de ginástica de propriedade de seu irmão, localizada na avenida Moraes Salles, quase esquina com a avenida Júlio de Mesquita, exercitou-se, e depois dirigiu-se ao Shopping Iguatemi onde apanhou um terno que havia dias antes ali adquirido. Trafegando pela avenida Mackenzie em direção ao prédio em que residia, o carro que dirigia foi alvejado por tiros disparados do interior de um Vectra prata ocupado por 4 pessoas; um dos projéteis atingiu o prefeito no antebraço esquerdo, entrando e saindo pela parte posterior, e depois penetrou o tórax pelo lado esquerdo, saindo pelo lado direito: a morte foi instantânea. O seu carro, desgovernado, derivou à esquerda, colidindo com uma cerca de arame farpado, imobilizando-se.
            Foi instaurado o inquérito policial para a apuração do fato, classificado a princípio como roubo seguido de morte, o popular latrocínio (artigo 157, § 3º, do Código Penal). O inquérito foi depois transferido para o Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) da DIG de Campinas; ao mesmo tempo o Ministério Público iniciou um procedimento investigatório. O inquérito policial foi, finalmente, transferido ao DHHP de São Paulo.
            As investigações mostraram 8 versões para a morte do prefeito e o Ministério Público optou por uma delas: a de que no interior do Vectra prata estavam “Anzo”, “Walmirzinho”, “Fiinho” e “Andinho”, que era, segundo essa versão, o seu líder e, embora não tivesse praticado nenhum ato, era um dos responsáveis pelo crime simplesmente porque era o chefe da quadrilha. Quando foi oferecida a denúncia, apenas “Andinho” estava vivo. A motivação do delito era esta: os quatro haviam abordado, para possivelmente praticar um roubo, um Vectra verde ocupado por duas pessoas no bairro Novo Cambuí e, não conseguindo obter o seu intento, puseram-se em fuga; na avenida Mackenzie foram obstados pelo carro dirigido pelo prefeito, um Palio, que impedia a fuga e, ao conseguirem ultrapassa-lo, fizeram os disparos.
            Como se tratava de crime contra a vida em conexão com o crime de latrocínio tentado (contra as duas pessoas ocupantes do Vectra verde), o processo tramitou pela Vara do Júri da comarca de Campinas, cabendo a mim coincidentemente atuar na defesa de “Andinho”. Em setembro de 2007 ele foi impronunciado; o Ministério Público, furiosamente, recorreu, porém a impronúncia foi mantida. Foram os autos remetidos à 1ª Vara Criminal para julgar o crime de latrocínio tentado e “Andinho” foi absolvido; novamente o Ministério Público recorreu, nova derrota: o recurso não foi provido.
            A cada 10 de setembro a mídia campineira mobilizava-se entrevistando diversas pessoas: membros do Ministério Público, parentes do prefeito; chegaram até a entrevistar um jornalista que na manhã de 11 de setembro de 2001 comandava um programa de rádio que abordava especialmente a morte do prefeito. Nunca ninguém da imprensa procurou-me para saber como eu tinha desenvolvido a defesa ao acusado e conseguido a sua impronúncia, exceção feita aos jornalistas Zezé de Lima e José Arnaldo que me entrevistaram num programa veiculado aos domingos na Band Campinas, chamado “Entrevista coletiva”.
            A impronúncia de “Andinho” não impede que, enquanto não tiver ocorrido a prescrição, que extingue a punibilidade, poderá o processo ser retomado: bastam que surjam novos indícios e ele poderá ser desarquivado. No ano de 2012, coincidentemente no mês de setembro, ouvi rumores de que o processo seria reaberto, pois novos indícios haviam surgido, inclusive com delação premiada. Passado um ano, vê-se que eram apenas rumores. A extinção da punibilidade pela prescrição dar-se-á aos 9 de setembro de 2021.
            A família sempre lutou para que o fato fosse caracterizado como crime politico, mas esta expressão somente pode ser entendida no sentido vulgar, já que no Brasil um homicídio somente será um crime político se tiver motivação a tanto e se a vítima for o Presidente da República, o Presidente da Câmara, o Presidente do Senado ou o Presidente do Supremo Tribunal Federal. É o que desenganadamente consta da lei de segurança nacional.
            A respeito do tema, escrevi um livro chamado “As várias mortes do prefeito”, em que descrevo tudo o que consta do processo, bem como outras informações que obtive enquanto atuava na defesa do acusado. Oportunamente, ele será publicado.

Image

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …