Pular para o conteúdo principal

O "olho" da lei


 
            A cidade de New York vive um período eleitoral: em breve, será escolhido o seu prefeito, certamente um democrata ou um (infelizmente) republicano. A “big apple” tem sido destaque quando se fala em segurança, um tema sempre recorrente na época de eleição. Na década de 90, foi aplicada a famosa política do “law and order”, tão a gosto dos republicanos. Afirma-se que o republicano Rudolph Giuliani (um ex-promotor de justiça)  “limpou” a cidade, especialmente Manhattan, expulsando dali os criminosos.
            Hoje, fala-se muito numa prática policial em uso nessa mesma cidade, a “parar e revistar”, também discutida neste período efervescente. A escolha da pessoa que será parada e revistada, obviamente, é feita a partir do “olhômetro”: olha-se para a pessoa e, conforme a sua aparência, ela é escolhida para ser submetida a uma busca pessoal (“revista”, no jargão popular).
            Não abordarei o mérito da questão, deixando essa tarefa para outra ocasião. Apenas relatarei dois episódios que aconteceram com pessoas das quais eu me encontrava próximo e o resultado de ambos os episódios, mesmo porque aqui no Brasil o "olhômetro" é utilizado na prática da abordagem dos, por assim dizer, "suspeitos".
            O primeiro envolveu um dentista que tinha consultório no mesmo prédio em que fica o meu escritório. Era a época em que as caminhonetes começavam a ser a coqueluche e ele adquiriu uma. Ao deixar o consultório num final da tarde, a bordo de seu possante, parou num semáforo na avenida Aquidabã e foi abordado por um ladrão armado, que mandou-o sair do veículo. Ele pretendeu fugir, o ladrão atirou, acertando-o, a caminhonete andou alguns metros, imobilizando-se: ele morreu. O autor do delito nunca foi descoberto.
            O segundo episódio envolveu um jovem que morava no mesmo prédio em que eu moro. Numa noite de sábado, ele saiu de casa dirigindo o Vectra do ano (de seu pai), com um cheque em branco assinado por sua mãe, com, como é praxe, o número do telefone no verso. Estava demorando para voltar e o seu pai saiu a procura-lo nos bares do Cambuí. Enquanto procurava pelo seu filho, uma guarnição da Polícia Militar, patrulhando a periferia de Campinas, avistou um Vectra novo e resolveu abordar os ocupantes, que eram três. Fizeram-no. O que dirigia o veículo apresentou os documentos do filho do dono do veículo e a foto não era condizente. Entre os documentos estava o cheque da mãe e um dos policiais resolveu telefonar para ela. Bingo. Nenhum dos rapazes era o seu filho. Os policiais resolveram levar todos para o plantão policial e pediram ao pai do rapaz que estava "sumido" que ali comparecesse. Quando chegaram, outra guarnição da PM fez contato com o delegado plantonista comunicando o encontro na periferia  do corpo de um jovem crivado de balas. O pai do rapaz foi ao local e reconheceu o cadáver: era o seu filho.
            Os três que estavam ocupando o Vectra foram presos em flagrante, denunciados e processados pelo crime de latrocínio na 4ª Vara Criminal de Campinas e condenados a 20 anos de reclusão cada um, pena a ser cumprida integralmente no regime fechado (a lei de crimes hediondos ainda não havia sido modificada). O encontro fortuito, aliado à desconfiança dos policiais, levou à descoberta dos latrocidas, bem como à sua condenação.
            Em outra oportunidade, falarei do “parar e revistar” – que já foi objeto de polêmica pelos jornais em Campinas – sob a ótica da legalidade, num Estado Democrático de Direito.
           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto