Pular para o conteúdo principal

O "olho" da lei


 
            A cidade de New York vive um período eleitoral: em breve, será escolhido o seu prefeito, certamente um democrata ou um (infelizmente) republicano. A “big apple” tem sido destaque quando se fala em segurança, um tema sempre recorrente na época de eleição. Na década de 90, foi aplicada a famosa política do “law and order”, tão a gosto dos republicanos. Afirma-se que o republicano Rudolph Giuliani (um ex-promotor de justiça)  “limpou” a cidade, especialmente Manhattan, expulsando dali os criminosos.
            Hoje, fala-se muito numa prática policial em uso nessa mesma cidade, a “parar e revistar”, também discutida neste período efervescente. A escolha da pessoa que será parada e revistada, obviamente, é feita a partir do “olhômetro”: olha-se para a pessoa e, conforme a sua aparência, ela é escolhida para ser submetida a uma busca pessoal (“revista”, no jargão popular).
            Não abordarei o mérito da questão, deixando essa tarefa para outra ocasião. Apenas relatarei dois episódios que aconteceram com pessoas das quais eu me encontrava próximo e o resultado de ambos os episódios, mesmo porque aqui no Brasil o "olhômetro" é utilizado na prática da abordagem dos, por assim dizer, "suspeitos".
            O primeiro envolveu um dentista que tinha consultório no mesmo prédio em que fica o meu escritório. Era a época em que as caminhonetes começavam a ser a coqueluche e ele adquiriu uma. Ao deixar o consultório num final da tarde, a bordo de seu possante, parou num semáforo na avenida Aquidabã e foi abordado por um ladrão armado, que mandou-o sair do veículo. Ele pretendeu fugir, o ladrão atirou, acertando-o, a caminhonete andou alguns metros, imobilizando-se: ele morreu. O autor do delito nunca foi descoberto.
            O segundo episódio envolveu um jovem que morava no mesmo prédio em que eu moro. Numa noite de sábado, ele saiu de casa dirigindo o Vectra do ano (de seu pai), com um cheque em branco assinado por sua mãe, com, como é praxe, o número do telefone no verso. Estava demorando para voltar e o seu pai saiu a procura-lo nos bares do Cambuí. Enquanto procurava pelo seu filho, uma guarnição da Polícia Militar, patrulhando a periferia de Campinas, avistou um Vectra novo e resolveu abordar os ocupantes, que eram três. Fizeram-no. O que dirigia o veículo apresentou os documentos do filho do dono do veículo e a foto não era condizente. Entre os documentos estava o cheque da mãe e um dos policiais resolveu telefonar para ela. Bingo. Nenhum dos rapazes era o seu filho. Os policiais resolveram levar todos para o plantão policial e pediram ao pai do rapaz que estava "sumido" que ali comparecesse. Quando chegaram, outra guarnição da PM fez contato com o delegado plantonista comunicando o encontro na periferia  do corpo de um jovem crivado de balas. O pai do rapaz foi ao local e reconheceu o cadáver: era o seu filho.
            Os três que estavam ocupando o Vectra foram presos em flagrante, denunciados e processados pelo crime de latrocínio na 4ª Vara Criminal de Campinas e condenados a 20 anos de reclusão cada um, pena a ser cumprida integralmente no regime fechado (a lei de crimes hediondos ainda não havia sido modificada). O encontro fortuito, aliado à desconfiança dos policiais, levou à descoberta dos latrocidas, bem como à sua condenação.
            Em outra oportunidade, falarei do “parar e revistar” – que já foi objeto de polêmica pelos jornais em Campinas – sob a ótica da legalidade, num Estado Democrático de Direito.
           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …