Pular para o conteúdo principal

J. R. Guzzo e Campinas




      O conhecido articulista de VEJA, J.R. Guzzo, escreveu um devastador artigo sobre a “princesa d’oeste”, Campinas. Desde logo quero registrar que não sou campineiro (nem com um daqueles títulos que os edis generosamente conferem a algumas pessoas): moro nesta urbe desde os idos de 1964, tendo aqui prestado o serviço militar (e numa época dura: enquanto cumpria a obrigação militar houve o atentado com um carro-bomba contra o QG do II Exército, matando o soldado Mário Kozel Filho); foi aqui também que cursei a Faculdade de Direito, onde depois, e por 30 anos, ministrei aulas; foi aqui também que trabalhei, após ser aprovado em concurso público de provas e títulos, como Procurador do Estado, de 1983 a 2008, na área de assistência judiciária criminal, defendendo pessoas acusadas que não podiam arcar com os custos de honorários advocatícios (foi nessa condição que atuei na defesa de "Andinho" quando acusado de haver participado da morte de um dos prefeitos de Campinas, Toninho do PT).
      Tenho muito viva em minha memória a época em que viemos de mudança para cá. Aliás, minha memória é anterior a essa época, desde o tempo que, antes de nos mudarmos, vínhamos sempre passar as férias aqui, pois aqui moravam os meus avós e alguns dos meus tios maternos. E os primos, claro: mais do que parentes, éramos amigos. Eu já tinha verdadeira fascinação pela cidade e uma vontade incontida de morar aqui.
      Finalmente, no ano de 1964, mais precisamente no dia 4 de fevereiro, nos mudamos para cá – eu não havia ainda completado 16 anos. Campinas tinha no transporte público bondes e ônibus, estes da CCTC – Companhia Campineira de Transportes Coletivos. Na avenida Francisco Glicério localizava-se uma lanchonete que era um “point” – “Sanducha”. E tomar lanche nas Lojas Americanas ali da rua 13 de Maio era um charme: a lanchonete ficava num nível mais baixo e era comum comermos o “club LASA” ou um “hot dog” (quase semelhante ao de New York, sem essa quantidade de recheio que hoje é posta nesse tipo de sanduíche). Campinas fazia jus ao epíteto de “princesa d’oeste”: tudo era bonito.
      A cidade era uma referência em matéria de saúde e de ensino. Sirvam como exemplos o Instituto Penido Burnier e o Colégio Culto à Ciência (para não falar na Escola Normal, outro ícone do ensino). Na década de 60 veio a Unicamp e algumas estatais altamente qualificadas. Porém, a derrocada não demorou em ter início.
      O articulista em questão fez um retrato cruel da cidade, porém verdadeiro – a verdade, aliás, algumas vezes dói. Para que fiquemos situados temporalmente não muito longe, uma das causas da derrocada é que Campinas ficou aproximadamente 16 anos sem ter prefeito – todos os que passaram por lá durante essa mais de década e meia nada fizeram pela cidade. Não é possível saber em que campo eles atuaram – pode-se, então, afirmar que em nenhum. Pelo lado que se olhe, vê-se que todos os espaços públicos foram deteriorados, prova cabal da inoperância governamental. Podem ser dados alguns exemplos de espaços públicos: o Bosque dos Jequitibás e a Lagoa do Taquaral. Outros espaços públicos, como praças: a Teotônio Vilela, no Cambuí. Nela há um teatro interno que ficou anos interditado por falta de condições; externamente, há o teatro de arena, inteiramente degradado, em que as pichações impedem que se enxergue o concreto. No entorno, bancos faltando pedaços – como se um ripa de madeira custasse centenas de reais. Ao prefeito, na administração da cidade, cabe, ainda, obter dos poderes estadual e federal os investimentos a que estão obrigados.
      Embora o artigo em questão soe dolorido, ele, desgraçadamente, é verdadeiro, e torço para que as autoridades municipais (no que couber), estaduais (idem) e federais (ibidem), o leiam e se envergonhem da situação ali descrita e, enchendo-se de brios, passem a administrar a cidade como verdadeiros governantes.
      É o mínimo que se pode esperar, a fim de que a dignidade da cidade e dos cidadãos seja resgatada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …