Pular para o conteúdo principal

Mais uma cabeluda do Renan



      Terminava o ano de 2013 e o presidente do Senado da República, Renan Calheiros, foi surpreendido voando num jato da Força Aérea Brasileira para uma cidade do estado de Pernambuco a fim de submeter-se a um implante de fios de cabelo. Após ser, pela segunda vez no ano, apanhado de calças na mão numa aventura cabeluda de mau emprego do dinheiro público, candidamente o senador quase calvo apressou-se em consultar as autoridades sobre o valor gasto e ressarcir os cofres públicos. Ele já devia estar careca de saber que os aviões da FAB não se prestam para isso.
      É necessário registrar que a sua malfeitoria veio à luz por conta de uma notinha publicada na coluna “Painel” do jornal Folha de São Paulo, ganhando grande repercussão, o que fez com que o traquinas senador tivesse um súbito surto de juízo e se propusesse a indenizar o erário brasileiro.
      Por ser a segunda vez que ele tem esse (mau) comportamento (lembrando que na primeira vez ele foi a uma cidade do estado da Bahia para os festejos de casamento da filha de um seu colega de parlamento e, tal qual na segunda vez, foi delatado e ressarciu o gasto), surge uma indagação: o que leva uma autoridade, cujo cargo que ocupa está na linha de sucessão da presidência da República, a reincidir no mau vezo de agir com a coisa pública como se fosse particular, o que vale dizer, como se fosse sua? Cabem algumas respostas, mas a que impera é a que está contida na própria pergunta: a maioria dos políticos brasileiros age em relação à coisa pública como se ela fosse particular, ou seja, como se ele fosse o seu proprietário. Dizia um humorista que “no Brasil a coisa pública é tratada como privada”; esta frase comporta mais de uma interpretação – o leitor saberá por qual optar.
      Curiosamente, na mesma época em que o quase calvo parlamentar praticava mais uma das suas traquinagens aéreas, a imprensa mundial noticiava que o bilionário Michael Bloomberg havia gasto em seus 12 anos de mandato como alcaide de New York a quantia de 650 milhões de dólares de seu bolso para diversas finalidades públicas, dentre as quais, apenas para ilustrar, estão o pagamento de passagens de seus assessores e bônus para eles. No caso, deu-se uma inversão: o político estadunidense desembolsou de sua conta a vultosa quantia em benefício da cidade de que era o administrador.
      É de se destacar que Renan Calheiros tem em sua folha corrida outros fatos desabonadores, um dos quais levou-o à renúncia da presidência: descobriu-se que os alimentos de uma filha havida fora do casamento eram pagos por uma empreiteira. Como o povo brasileiro não tem memória, especialmente os da classe política, o seu retorno não demorou. O que lhe falta em folículos pilosos no crânio sobra em vontade de praticar ações reprováveis.
      Finalmente, deve ficar registrado que o partido a que é filiado é importante na base aliada do governo federal, aliás exercido por um partido que passou duas décadas pregando a ética na política...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto