Pular para o conteúdo principal

Mais uma cabeluda do Renan



      Terminava o ano de 2013 e o presidente do Senado da República, Renan Calheiros, foi surpreendido voando num jato da Força Aérea Brasileira para uma cidade do estado de Pernambuco a fim de submeter-se a um implante de fios de cabelo. Após ser, pela segunda vez no ano, apanhado de calças na mão numa aventura cabeluda de mau emprego do dinheiro público, candidamente o senador quase calvo apressou-se em consultar as autoridades sobre o valor gasto e ressarcir os cofres públicos. Ele já devia estar careca de saber que os aviões da FAB não se prestam para isso.
      É necessário registrar que a sua malfeitoria veio à luz por conta de uma notinha publicada na coluna “Painel” do jornal Folha de São Paulo, ganhando grande repercussão, o que fez com que o traquinas senador tivesse um súbito surto de juízo e se propusesse a indenizar o erário brasileiro.
      Por ser a segunda vez que ele tem esse (mau) comportamento (lembrando que na primeira vez ele foi a uma cidade do estado da Bahia para os festejos de casamento da filha de um seu colega de parlamento e, tal qual na segunda vez, foi delatado e ressarciu o gasto), surge uma indagação: o que leva uma autoridade, cujo cargo que ocupa está na linha de sucessão da presidência da República, a reincidir no mau vezo de agir com a coisa pública como se fosse particular, o que vale dizer, como se fosse sua? Cabem algumas respostas, mas a que impera é a que está contida na própria pergunta: a maioria dos políticos brasileiros age em relação à coisa pública como se ela fosse particular, ou seja, como se ele fosse o seu proprietário. Dizia um humorista que “no Brasil a coisa pública é tratada como privada”; esta frase comporta mais de uma interpretação – o leitor saberá por qual optar.
      Curiosamente, na mesma época em que o quase calvo parlamentar praticava mais uma das suas traquinagens aéreas, a imprensa mundial noticiava que o bilionário Michael Bloomberg havia gasto em seus 12 anos de mandato como alcaide de New York a quantia de 650 milhões de dólares de seu bolso para diversas finalidades públicas, dentre as quais, apenas para ilustrar, estão o pagamento de passagens de seus assessores e bônus para eles. No caso, deu-se uma inversão: o político estadunidense desembolsou de sua conta a vultosa quantia em benefício da cidade de que era o administrador.
      É de se destacar que Renan Calheiros tem em sua folha corrida outros fatos desabonadores, um dos quais levou-o à renúncia da presidência: descobriu-se que os alimentos de uma filha havida fora do casamento eram pagos por uma empreiteira. Como o povo brasileiro não tem memória, especialmente os da classe política, o seu retorno não demorou. O que lhe falta em folículos pilosos no crânio sobra em vontade de praticar ações reprováveis.
      Finalmente, deve ficar registrado que o partido a que é filiado é importante na base aliada do governo federal, aliás exercido por um partido que passou duas décadas pregando a ética na política...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …