Pular para o conteúdo principal

O julgamento do “mensalão” e o reforço de alguns princípios constitucionais.



 
O julgamento do “mensalão” e o reforço de alguns princípios constitucionais.

      A atividade punitiva, exclusividade do Estado, designada pela expressão latina “jus puniendi”, antigamente traduzida simplesmente por “direito de punir” ou “direito punitivo”, depois por “poder-dever de punir” é cercada de algumas importantes garantias em benefício da pessoa e elas – algumas delas – ainda existem sob a forma de princípios, nos termos em que Miguel Reale os definiu, outras alçaram-se da qualidade de princípios à de lei, seja de estatura constitucional, seja da estatura de lei ordinária.
      O mais caro (lembro-me da advertência do “sumo mestre de Pisa”, Francesco Carrara, quando comentou as palavras nos crimes contra a honra e o duplo sentido que elas podem ter) princípio no Estado Democrático de Direito é o da legalidade, entre nós elevado à categoria de norma constitucional e também de norma ordinária. “Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei.” Tal dispositivo tem força gigantesca na atividade punitiva do Estado: “não há crime sem LEI anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação LEGAL”. Além da legalidade, a anterioridade da lei ao fato que se pretende delituoso.
      O “due processo of law” – em vernáculo “devido processo legal – também tem importância decisiva no exercício do “jus puniendi”. A pessoa somente poderá ser punida se tudo o que se referir ao seu comportamento que se pretende punir tiver sido apurado no curso de um devido processo judicial (ou legal, como alguns preferem). E no curso desse processo devem ser respeitados dois princípios também muito caros ao Estado Democrático de Direito: o da ampla defesa e o do contraditório. A pessoa acusada deve ser  defendida ainda que não queira – caso em que o Estado deverá nomear-lhe um defensor dativo, que, ao seu turno, deverá exercer uma defesa efetiva, e nunca portar-se, como dizia Nélson Hungria, como “um convidado de pedra”. Além disso, deve lhe ser dada a oportunidade de conhecer o que a parte oposta apresentou e contrapor o que for de se interesse para desconstruir (perdão, Derrida – e Woody Allen [Desconstruindo Harry]).
      Todos os atos processuais deverão ser dotados de publicidade, ou seja, deve ser permitido que as pessoas que assim pretenderem acompanhem o desenvolvimento do processo. Beccaria fustigou os julgamentos secretos, em sua época (o seu livro é de 1.764) habituais, em que sequer o acusado acompanhava o juízo.
      Caso o acusado seja condenado, a sentença deverá respeitar as três fases determinadas pelo Código Penal (primeira fase - pena base - são analisadas as circunstâncias judiciais; segunda fase - análise das circunstâncias agravantes e atenuantes; terceira fase - apreciação das causas de aumento ou diminuição da pena), bem como fixar o regime inicial de cumprimento da pena privativa de liberdade, substituindo-a, se for caso, por pena restritiva de direito. Ou por multa.
      Pois é, no julgamento do “mensalão”, todos os acusados tiveram respeitados os princípios acima sinteticamente expostos, o que os reforçou, avultando o da publicidade, já que as sessões foram transmitidas ao vivo (e reprisadas à exaustão) – o Supremo Tribunal Federal é o único tribunal supremo no mundo que transmite as suas sessões plenárias ao vivo. Em nenhum outro país do mundo isso ocorre.
      Falta apenas aplicar um princípio (que, à semelhança de outros, é também lei constitucional e infraconstitucional): o da igualdade (ou isonomia). Todos os “mensaleiros” encarcerados, devem, à semelhança dos outros milhares de engaiolados, usar o uniforme do presídio. Somente assim todos os princípios terão recebido um reforço com o julgamento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …