Pular para o conteúdo principal

A bruxa da praia




      Um dos mais vergonhosos acontecimentos da história dos Estados Unidos da América é conhecido por “As bruxas de Salem”. Salem (ou Salém, como alguns grafam) é uma cidade do estado de Massachusetts e ali algumas mulheres e homens foram julgados e condenados à morte sob a acusação de praticar a bruxaria. Os últimos julgamentos deram-se no ano de 1.692. Sobre o tema Arthur Miller escreveu uma peça, bem como há um filme, baseado na peça, do ano de 1996, dirigido por Nicholas Hyttner, estrelado por Daniel Day-Lewis e Winona Ryder. Um dos condenados, Giles Corey, demorou três dias para morrer: a condenação à morte impôs-lhe na verdade um suplício, consistente em comprimir o seu corpo com pedras até morrer. Um dos juízes, Samuel Sewall, confessou mais tarde – tarde demais – que pensava que as suas sentenças tinham sido equivocadas.
       Para identificar-se uma bruxa, há um manual, chamado em português “O martelo das bruxas” (às vezes traduzido por “O martelo das feiticeiras”); em latim, é “Mallus maleficarum”.
      Dias atrás, uma mulher, cujo maior "crime" era ser bipolar, foi trucidada por um bando de selvagens sob a acusação de ser bruxa e de sequestrar crianças para imolá-las em rituais de magia negra. Dois componentes dessa tragédia chamaram a atenção: o, por assim dizer, planejamento se deu pelas “redes sociais” – entenda-se: Facebook -, e, para reconhecê-la como bruxa, foi utilizado um retrato falado oriundo da Sodoma brasileira, a ex-cidade maravilhosa. Que o Facebook se presta à prática de porcarias, tudo mundo sabe, e que o retrato falado pode provocar confusões, idem. Mais um aspecto, este não do crime, mas da forma como a mídia tem a ele se referido: os noticiaristas falam em “justiça com as próprias mãos”.
      “Justiça com as próprias mãos” é um – mais um, aliás – nome inventado pela mídia para o crime contra a administração da justiça chamado “exercício arbitrário das próprias razões”, descrito no artigo 345 do Código Penal. A diferença entre a selvageria que ocorreu na cidade praiana e o delito em questão é enorme: quando pratica o delito previsto no artigo 345, o sujeito ativo tem o direito e, em vez de procurar fazê-lo valer de forma civilizada, deduzindo uma pretensão em juízo, com as “próprias mãos” quer resolvê-lo. Os exemplos existem aos montes e são cotidianos: o proprietário do imóvel locado cujo inquilino não tem pago os alugueres (sim: alugueres), manda trocar as fechaduras das portas para impedi-lo de entrar; o empregado cujos salários estão atrasados subtrai um objeto do patrão no valor do débito.
      É fácil notar que nos exemplos referidos o sujeito ativo do delito tem um direito a ser exercido, mas, apressadamente, quer resolvê-lo por si mesmo, ao passo que os “justiceiros” da orla marítima não tinham nenhum direito a ser reconhecido, ainda que a pobre mulher fosse, como se supunha, sequestradora de crianças. O que se fez ali foi “injustiça com as próprias mãos”; com muitas mãos, aliás.
      Pois é: os (in)justiceiros sequer leram o “Mallus maleficarum”para saber identificar uma bruxa, e, imagino, a esta altura devem estar se sentindo pior que o juiz Samuel Sewall: ao passo que este confessava pensar que as suas sentenças tivessem sido um equívoco, aqueles têm a certeza de que cometeram uma tremenda injustiça. Mas o que os espera é mais do que o remorso (se é que pessoas desse naipe conheçam esse sentimento): é uma acusação pela prática de um crime, o de homicídio qualificado, cuja pena vai de 12 a 30 anos de reclusão, e não o exercício arbitrário das próprias razões, infração penal de menor potencial ofensivo.


           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …