Pular para o conteúdo principal

Campinas de antigamente



      O título remete ao saudosismo e esta palavra faz com que muitas pessoas, especialmente as mais jovens, “torçam o nariz”, como se o saudosismo fosse atributo dos idosos – ou dos mais idosos.
      Sem pretender ser saudosista – e já sendo – Campinas, há 50 anos passados, era bem melhor do que a atual. Digo há 50 anos pois faz exatamente esse tempo que a minha família veio de mudança de Jaú para cá, realizando algo que não mais poderia ser adiado. Chegamos aqui no dia 4 de fevereiro. É muito custoso para uma pessoa desenraizar-se de um local onde estava estabelecido para mudar-se para outra cidade, mas, muitas vezes, as circunstâncias impõem esse sacrifício. Foi o que ocorreu com a minha família: com os filhos atingindo a idade universitária e não existindo faculdade na cidade em que morávamos, a solução foi vir para Campinas.
      Eu já conhecia bem a cidade, pois, tendo muitos parentes morando aqui, era em Campinas que nós passávamos as nossas férias. E era como uma Disneyworld: uma cidade que tinha prédios altíssimos (em Jaú havia quando muito um, que não passava de oito andares) com elevador, bondes, lojas, pastelarias. Era incrível passear de bonde e o melhor era o Botafogo: os pontos inicial e final era ao lado da praça defronte ao fórum e pelo preço de uma passagem era possível fazer o trajeto completo. As demais linhas não proporcionavam esse deleite. Viajar no estribo era uma aventura, embora proibida, e se o cobrador visse, fazia uma advertência.
      Inicialmente fomos morar por alguns meses numa casa na rua Duque de Caxias, 818 - não existe mais, demolida que foi para a construção de um prédio de apartamentos -, defronte à praça Silvia Simões Magro, mais conhecida como jardim (ou largo) São Benedito. Nessa praça, e em outras, claro, havia um "zelador", que, munido de um apito, advertia as pessoas que não estavam se comportando bem, como pisando na grama. A advertência era um silvo. Não existia ainda a figura do "pichador", vândalo sempre armado com o seu "equipamento" e disposto a emporcalhar as paredes da cidade e as praças. Depois nos mudamos para a rua Uruguaiana, 722, próximo do Bosque dos Jequitibás, onde permanecemos até o mês de outubro. Fomos depois morar próximo ao Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora e o bairro era servido pela linha de bonde 4-Guanabara, com ponto final na avenida Barão de Itapura, ao lado da igreja: o vagão parava e o cobrador virava os encostos dos bancos; quem pretendesse ficar pagava outra passagem. O bairro também era servido por linha de ônibus (CCTC), com o mesmo numeral e nome: 4-, cujo ponto era na avenida Campos Salles ao lado do fórum. O último coletivo saía dali meia-noite e meia e se o perdêssemos, a solução era ir caminhando até nossas casas. Não havia a menor possibilidade de ser “assaltado”.
      Comer esfiha e pastel, acompanhado uma ou outro de um refrigerante tubaína, na pastelaria Nova China, no Supermercado Campineiro, era a realização de um sonho gastronômico. A primeira mordida na esfiha liberava um líquido que, se não tomássemos cuidado, molharia as calças.
      Outra delícia gastronômica era tomar lanche nas Lojas Americanas da rua Treze de Maio: o sanduíche clube LASA era o carro-chefe do cardápio. Havia o cachorro-quente quase nos mesmos moldes do vendido nos Estados Unidos, sem essa profusão de ingredientes como hoje existe. Às vezes, o lanche era precedido da compra de um disco compacto 33 rpm. Um dos que eu adquiri ali foi “Carcará”, com Maria Bethânia. Um 78 rpm ali comprado: “Hava nagila”, com Chubby Checker.
      De lá até os presentes dias a cidade cresceu desmesuradamente e sem nenhum planejamento, tornando-se grande e feia. É difícil entender a abolição dos bondes quando cidades de primeiro mundo, como na Europa, mantêm esse meio de transporte. Berna, por exemplo. O crescimento desmesurado continua até os dias atuais, com a construção de incontáveis prédios de apartamentos, entupindo as ruas e avenidas de veículos, muitos adquiridos com aquele incentivo dado pelo governo federal.
      A Campinas de antigamente, alcunhada “cidade das andorinhas”, está aos poucos desaparecendo, restando dela apenas as lembranças daqueles que, como eu, conheceram-na quando fazia jus a outro epíteto: “a princesa do oeste”.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto