Pular para o conteúdo principal

Memórias das copas do mundo




    
  Para mim, tudo começou em 1958: então com 10 anos e mal entendendo das coisas, acompanhei pelo rádio, vendo o meu irmão mais velho soltando rojões, a primeira vitória da seleção brasileira numa copa do mundo, então chamada Jules Rimet. O torneio ocorreu na Suécia. O fenômeno Pelé, então com 17 anos surgiu ali. O que falar, então, de Didi, Garrincha, Nilton Santos, Bellini?
      Quatro anos depois, foi na América do Sul, mais precisamente no Chile, e novamente a seleção brasileira trouxe a taça. Embora Pelé não tivesse podido jogar todas as partidas, o time não se ressentiu de sua ausência, substituído que foi por Amarildo, o “peito de aço” (os narradores esportivos de então tinham o hábito de colocar apelidos nos jogadores).
      Na copa seguinte, 1966, que seria, como foi, jogada na Inglaterra, o selecionador brasileiro acreditou que a vitória eram “favas contadas” e fez uma “lambança”, porém, ele não contava com o preparo das outras seleções e a brasileira foi eliminada.
      Quem vencesse a competição por três vezes ficaria em definitivo com a taça e o que se viu no México foi talvez a melhor seleção que o Brasil já teve: craques como Tostão, Pelé, Gerson, Rivelino, Clodoaldo, Jairzinho (“furacão”) e outros tantos brilhando em campo. A taça veio definitivamente para o nosso rincão, mas teve vida curta: retratando fielmente a tradição brasileira, a de não respeitar nenhum símbolo nacional, a taça foi furtada e derretida.
      Depois desse torneio, a seleção brasileira ficou em jejum durante 24 anos, até que, em 1994, em solo estadunidense, abocanhou pela quarta vez a copa, agora sem que houvesse uma regra tornando-a definitiva: a sua posse era provisória, durando quatro anos (até o torneio seguinte).
      Mais oito anos de jejum até que em solo asiático, agora no longínquo ano de 2002, a seleção brasileira pela quinta vez tornou-se campeã.
      O tempo passa, as pessoas envelhecem, os conceitos mudam, e no ano de 2007 o governo brasileiro batalhou para que a copa de 2014 fosse no Brasil; conseguiu o aval da FIFA e teve sete anos para preparar o país para receber esse mais importante evento do futebol. O que se viu durante os sete anos de (suposta) preparação foi aquilo que se vê a diário no Brasil: tudo deixado para a última hora. O brasileiro não deixa para fazer a declaração de imposto de renda na última semana, quiçá na véspera do encerramento do prazo (que, em geral, é de dois meses)? Outro cenário bem brasileiro que se concretizou: obras totalmente inúteis custando “os olhos da cara” (“arenas” de Cuiabá e Manaus).
      É certo que aqui pode entrar um componente de desonestidade: para que as obras sejam aceleradas, às vezes são necessários aditamentos nos contratos, encarecendo astronomicamente o seu custo. Estádios (no linguajar dos dirigentes da FIFA, “arenas”) ficando prontos praticamente na véspera do início do evento, e obras de acessibilidade não ficando prontas (um viaduto em Belo Horizonte desabou enquanto era construído em pleno desenvolvimento dos jogos do torneio).
      E, quanto ao futebol propriamente dito, o que se viu foi algo semelhante ao que ocorreu em 1966: a CBF contratou uma comissão técnica envelhecida, com um técnico cujo único feito foi ter vencido a copa de 2002 com outra geração de jogadores (afinal, passaram 12 anos...), que convocou jogadores quase todos sem experiência em competições internacionais, com comportamento de amadores (aliás: se fossem amadores teriam se dado melhor). Atletas que ficavam dando demonstração de pieguice sempre que podiam, tais como, entrar em campo com a camisa do Neymar na partida que ele não pôde jogar, ou ficar orando em campo (oração se faz em templos – nem as seleções de países muçulmanos, às vezes composta de fanáticos, deram esse tipo de demonstração).
      E essa seleção de inexperientes sucumbiu fragorosamente quando teve pela frente seleções bem estruturadas, tendo levado dez gols em duas partidas e fazendo apenas um.
      Poder-se-ia dizer: ainda bem que sucumbiu (mas não precisava ser de forma tão humilhante...), pois se tivesse triunfado, certamente o partido que está no poder há onze anos e destruindo o país teria um trunfo a mais em mãos para continuar a sua destruição.


     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto