Pular para o conteúdo principal

A festança e o viagra




      
    Tinha todos os componentes para ser uma festa de arromba: local muito agradável e chique, convidados ricos e famosos, anfitrião educadíssimo, tudo do bom e do melhor. Cada conviva recebia, quando chegava, um kit que, a título de brincadeira, continha uma cartela de viagra. A festa foi um sucesso, com efeito. Entre os convidados estava um famoso estilista, que, à semelhança dos demais, divertiu-se à tripa forra. O estilista comentou com um colunista de uma conceituada revista semanal de informação paulistana a festa e o kit que cada conviva recebia, enfatizando a presença do “medicamento”. Talvez também a título de brincadeira, o colunista publicou uma pequena nota na revista noticiando a festança e o medicamento que cada convidado recebeu. Foi o quanto bastou para que o Ministério Público da cidade em que a festa se realizou – na região metropolitana de Campinas, mais especificamente Indaiatuba – requisitasse a instauração de inquérito policial pela prática do crime intitulado “medicamento em desacordo com receita médica”[1]. Encerrado o inquérito, o Ministério Público o denunciou pela prática desse crime. Iniciou-se o processo.
          Como o endereço do acusado constante nos autos de inquérito era em São Paulo, para lá foi expedida carta precatória com a finalidade de – após evidentemente ter sido citado – que fosse proposta a suspensão do processo[2]. A audiência em que se deu a apresentação da proposta foi de uma comicidade incrível. Iniciou-se um diálogo histriônico entre o juiz e o acusado, em que aquele fazia alusão ao peixe (“morre pela boca”) com relação à nota publicada e que culminou com a entrega pelo magistrado de um cd de músicas que ele havia gravado (evidentemente, não era produto de nenhuma gravadora de renome, nem sem renome, mas sim “produção própria”) – sim, o magistrado titular da vara criminal da capital em que se realizou a audiência achava-se cantor.
          Vendo a ótima situação financeira do acusado, Sua Excelência propôs como uma das condições judiciais da suspensão do processo que ele fizesse uma doação mensal – a quantia era considerável – a uma instituição de caridade da cidade em que se realizou a festança.
          Embora o processo estivesse eivado de nulidades que poderiam ser argüidas em sede de “habeas corpus”, ficaria economicamente mais viável ao acusado aceitar a proposta de suspensão processual. Expus isso e ele aceitou a proposta.
          Como premio ao acusado (ou um castigo acessório...), um cd de músicas gravado pelo magistrado – e o acusado prometeu que ouviria – o que já era punição mais do que severa pela brincadeira feita.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium)


[1] . Descreve a conduta o artigo 280 do Código Penal: “fornecer substância medicinal em desacordo com receita médica”, com a pena de detenção, de 1 a 3 anos.
[2] .A lei 9.099/95 – que instituiu os Juizados Especiais Cíveis e Criminais – estabelece em seu artigo 89 que nos crimes em que a pena mínima seja igual ou inferior a um ano, o Ministério Público poderá propor a suspensão do processo por um período entre dois e quatro anos, dependendo de alguns requisitos – primariedade do acusado, por exemplo – e mediante algumas condições obrigatórias e legais (uma delas, por exemplo, reparar o dado – salvo impossibilidade de fazê-lo) e outras, judiciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto