Pular para o conteúdo principal

Lucy e o uso do cérebro




   
   Um filme estrelado por Scarlett Johansonn e Morgan Freeman, dirigido por Luc Besson, aborda um tema interessantíssimo: qual é a porcentagem do cérebro que uma pessoa pode usar? Fazendo pilhéria, a atriz, lindíssima, que na vida real tem cabelos castanhos, no filme – como, de resto, em muitos outros filmes – tem cabelos loiros, o que já pode comprometer o uso do cérebro... mas não é bem assim.
      Ela é sequestrada, juntamente com outras pessoas, por um grupo de asiáticos, e tem em seu corpo, mais especificamente na barriga, de forma subcutânea, implantada uma droga poderosíssima, que será enviada a outros países: atuará como “mula”, enfim. A droga sintética chama-se DPH-4, que, ainda segundo o filme, é produzida por grávidas e em quantidades ínfimas são transferidas ao feto e isso faz com que tenham os ossos desenvolvidos.
      Morgan Freemam desempenha o papel de um cientista que trabalha em pesquisas sobre a porcentagem de utilização do cérebro (registro que o ator na vida real apresenta uma série chamada “Os grandes mistérios do Universo” e talvez o tema do filme – uso do cérebro – seja um dos grandes mistérios...), mas a Wikipédia, a enciclopédia interativa on-line, no verbete acerca do tema afirma que é uma lenda urbana, um mito, aquilo que se diz há décadas, de que apenas a décima parte do cérebro é utilizada, ou seja, apenas 10%.  A droga é extraída do corpo de Lucy e ela passa a ingeri-la, fazendo com que o seu cérebro passe a ser utilizado em porcentagens cada vez maiores, tornando-a uma super-pessoa, com poderes sobre-humanos.
      Essa é a grande questão posta pelo filme: se uma pessoa pudesse utilizar o seu cérebro na totalidade, ou seja, 100%, o que aconteceria? Embora se diga hoje que 10% de utilização seja um mito, é razoável supor que em cada atividade desenvolvida pela pessoa ela utilize somente esse percentual, ficando o restante (90%) em “stand by”. Utilizando a totalidade, a pessoa se tornaria um super-homem, capaz de façanhas impensáveis. Isso é o que o filme em questão sugere e, é de se convir, é praticamente impossível demonstrar.
      Seguem abaixo os “links” do filme e da Wikipédia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …