Pular para o conteúdo principal

Alice e as câmeras de segurança

                                                           

      Sempre que se ouve o nome Alice, pensa-se na mais famosa delas – sexo feminino, claro, pois há o Alice Cooper -, a que esteve no país das maravilhas, e foi criada por Lewis Carroll – cujo nome no registro de pessoas naturais era Charles Lutwidge Dogdson – baseada numa pessoa de carne e osso chamada Alice Pleasance Ludell, filha do reitor do Christ College, estabelecimento de ensino em que Lewis ministrava aulas de matemática (além de matemático, ele era desenhista, fotógrafo e reverendo anglicano). Passeando de barco com Alice e suas duas irmãs, ele inventou a história para deleite das meninas e Alice gostou tanto que ele resolveu escrevê-la. Ela tinha 10 anos de idade.
      Mas a Alice que ocupa o título deste texto é outra, também inglesa, mas que não teve o mesmo destino que a da história. A do título tem o sobrenome Gross e desapareceu em Londres no dia 28 de agosto de 2014, tendo sido o seu corpo encontrado no dia 30 de setembro do mesmo ano e a sua busca foi a maior em Londres desde o ano de 2005, quando houve ataques aos transportes públicos que ocasionaram a morte de 52 pessoas. Alice tinha 14 anos.
      O trajeto que ela fez foi acompanhado pelas câmeras de segurança até às 16 horas e 26 minutos do dia de seu desaparecimento,  quando ela andava ao longo do canal sob uma ponte na Trumpers Way. O suspeito é um letão (não ortodoxo, para lembrar um episódio da série “Seinfeld”...) de 41 anos, imigrante portanto, que houvera ficado preso em seu país por sete anos acusado de matar a sua mulher no ano de 1998, pois ele também foi flagrado por câmera de segurança no dia do desaparecimento da garota (28/8) às 16 horas, andando de bicicleta nas proximidades. O imigrante - não se sabe ainda se ilegal ou não - pôde ser reconhecido porque a sua foto constava dos registros oficiais e isto é muito importante: não bastam as câmeras, é necessário que existam fotos para que seja feita uma busca e comparação entre o que foi registrado na filmagem e o que conta dos arquivos oficiais.
      Além de todos os aspectos trágicos da ocorrência, o que chama a atenção é o número de câmeras de segurança que a cidade de Londres possui: embora não exista um número exato, estima-se que elas sejam mais de um milhão; Londres tem 1.623,3 km2, com numa população superior a 8 milhões. Ainda dentro do campo da estimativa, acredita-se que em todo o Reino Unido (Escócia, País de Gales, Irlanda do Norte e Inglaterra) haja uma câmera para cada grupo de 14 pessoas. Londres vem sendo apelidada de “Big Brother” (para quem não sabe, a expressão foi cunhada a partir do livro “1984”, do britânico George Orwell – nome real Eric Arthur Blair) em virtude do número de câmeras. Permanecendo ainda no campo da estimativa, aproximadamente 95% dos crimes são desvendados com auxílio de câmera (abreviatura CCTV).
      Como se constata, o uso de câmeras de segurança (ou de vigilância, como preferem alguns) é de grande valia para descobrir crimes, especialmente para descobrir o (suposto) autor do ilícito, mas não tem ainda servido para inibir a prática mesma do delito. Mesmo sabendo que o seu ato delituoso poderá estar sendo gravado e depois servirá para que o longo braço da lei penal o abrace, o seu uso não tem servido de motivo inibidor ao cometimento da infração. Somente com o passar do tempo, quando as gravações levarem à punição do criminoso e ela, a punição, for tornada pública, como pretende uma das finalidades da pena, a prevenção geral, é que talvez elas, as câmeras, possam servir para inibir a ação dos potenciais delinquentes.
      Enquanto não houver uma associação firme entre o uso das câmeras e a aplicação (efetiva) da lei criminal, somente o seu uso não bastará para frear a ação dos criminosos.

         Sorria, você está sendo filmado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …