Pular para o conteúdo principal

Imunidade diplomática



 
   
   Um dos temas estudados na aplicação da lei penal é o referente às pessoas que, embora tenham praticado um crime, não são punidas, ou seja, o Direito Penal não se aplica a elas. Sabe-se que a lei de um país aplica-se em todo o território nacional, porém há exceções. Tal estudo está debaixo do título “imunidades” e elas se dividem em diplomática e parlamentares (dois subtipos). A primeira aplica-se àquelas pessoas que representam um país estrangeiro em outro em que são acreditadas. Os estudiosos apontam algumas razões que fundamentam a imunidade diplomática e uma delas é muito simples: por mais que o representante de outra nação esteja familiarizado com os costumes do local em que ele a representa, nunca ele conseguirá conhecer todas as leis e costumes.
      Dentro dessa linha de exposição, caso um diplomata cometa um delito no país estrangeiro em que ele está, a lei penal deste país não se aplicará a ele. Essa decisão está baseada em tratados e convenções, porém, a seu critério, o país do diplomata pode retirar a imunidade dada a ele, permitindo que ele seja punido no país cuja lei penal ele infringiu. Um exemplo de manual (conforme diz Claus Roxin) é este: se o diplomata da Rússia, por exemplo, dentro da embaixada deste país no Brasil estuprar a camareira brasileira (ou de qualquer outra nacionalidade), ele ficará imune à aplicação do Código Penal brasileiro.
      Antigamente, os países relutavam em abrir mão da imunidade; modernamente, porém, isso tem ocorrido mais amiúde. Há muito tempo, alguns iranianos que moravam em Londres protestavam defronte a embaixada do Irã e repentinamente no interior do prédio foi feito um disparo de arma de fogo em direção àquela multidão; o projétil desgraçadamente atingiu uma policial londrina que patrulhava o local. O Irã, que já vivia a era dos turbantes, e, pois, da intolerância, não retirou a imunidade do pessoal que compunha o corpo diplomático, preferindo retirar aquelas pessoas e, dessa forma, nunca se soube quem fez o disparo fatídico.    
      Em Washington DC, um diplomata da República da Geórgia, ao volante de um veículo, embriagado, e em alta velocidade (apurou-se que o carro estava a mais de 130 quilômetros por hora) atingiu quatro veículos que se encontravam parados por conta da luz vermelha de um semáforo, matando uma jovem brasileira de 16 anos: a imunidade foi retirada e ele, submetido a julgamento, nos EUA, foi condenado a cumprir uma pena de prisão entre sete e vinte anos.
      Recentemente, no Espírito Santo, mais precisamente no dia 12 de maio de 2015, um diplomata espanhol matou a sua mulher, uma brasileira: eles eram casados havia mais de trinta anos e após o homicídio ele espontaneamente se apresentou ao Delegado de Polícia, que, por conta da imunidade, não pode autuá-lo em flagrante. Decorrido algum tempo, a Espanha retirou a imunidade de seu funcionário, permitindo que ele seja julgado conforme a lei brasileira, ou seja, pelo crime de homicídio, quiçá qualificado. A Espanha tem combatido sem tréguas a violência machista e talvez este seja um dos motivos para a retirada da imunidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …