Pular para o conteúdo principal

Anencefalia

Neste exato momento - 16,15 h - o Supremo Tribunal Federal está julgando a ADPF 54, proposta em 2004, pela qual se pretende descriminalizar a conduta da mulher que interrompe a gestação quando o feto padecer de anencefalia. O relator, que houvera concedido uma medida liminar, que foi cassada, Marco Aurélio, votou pela procedênciado pedido; no mesmo sentido votou a ministra Rosa Weber. O tema é profundo e não caberia num simples "blog", mas direi algumas palavras porque, durante anos, eu era o encarregado de fazer os pedidos, perante a Vara do Júri de Campinas, de autorização para a interrupção da gravidez. Fiz pedidos para mães que gestavam fetos sem rins ou sem coluna vertebral, mas a anencefalia predominava.
As gestantes iam ao CAISM da Unicamp para submeter-se ao exame pré-natal e eram surpreendidas com a péssima notícia, de que o feto era inviável. Era atendida por uma assistente social, por uma psicológa, e, se quisessem interromper a gravidez, eram encaminhadas à PAJ Criminal para a redação do pedido.
No aborto, protege-se a vida intrauterina - isto está em todos os manuais de Direito Penal. Mas - e isto não está nos manuais - uma vida intrauterina que venha a converter-se em vida extrauterina. Ao tempo da elaboração do Código Penal - final dos anos 30 -, a ciência médica não tinha todos os aparelhos que hoje existem e que podem, desde o início da gestação, detectar se aquele feto tem condições de sobreviver fora do útero materno. Se não tiver condições, não há porque nem como obrigar a gestante a levar a gravidez a termo, sabendo que tal estado importa em alteração do funcionamento do organismo da mulher. Amparam-se no princípio da dignidade da pessoa humana - um dos pilares do Estado Democrático de Direito - os que defendem a ideia de permitir que a gestante interrompa a gravidez em caso de anencefalia.
Foram apresentados projetos de lei nesse sentido - um deles, por uma deputada federal pelo Rio de Janeiro, a médica Jandira Feghalli - mas esses projetos nunca foram adiante nas casas legislativas de Brasília (talvez por ser um tema extremamente polêmico).
A anencefalia, conforme dito linhas acima, é um dos problemas, e certamente o que mais ocorre, mas há outros, conforme também dito, que atingem fetos tornando-os inviáveis para a vida fora do útero. Num dos casos em que trabalhei, o feto não tinha os rins; em outro, faltava a coluna vertebral. EStá sendo o o STF chamado mais uma vez a legislar, tarefa que os nossos deputados e senadores não fazem, embora recebam 14 salários por ano e mais algumas vantagens, cuja palavra que melhor as exprime é MORDOMIA.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …