Pular para o conteúdo principal

Anencefalia

Neste exato momento - 16,15 h - o Supremo Tribunal Federal está julgando a ADPF 54, proposta em 2004, pela qual se pretende descriminalizar a conduta da mulher que interrompe a gestação quando o feto padecer de anencefalia. O relator, que houvera concedido uma medida liminar, que foi cassada, Marco Aurélio, votou pela procedênciado pedido; no mesmo sentido votou a ministra Rosa Weber. O tema é profundo e não caberia num simples "blog", mas direi algumas palavras porque, durante anos, eu era o encarregado de fazer os pedidos, perante a Vara do Júri de Campinas, de autorização para a interrupção da gravidez. Fiz pedidos para mães que gestavam fetos sem rins ou sem coluna vertebral, mas a anencefalia predominava.
As gestantes iam ao CAISM da Unicamp para submeter-se ao exame pré-natal e eram surpreendidas com a péssima notícia, de que o feto era inviável. Era atendida por uma assistente social, por uma psicológa, e, se quisessem interromper a gravidez, eram encaminhadas à PAJ Criminal para a redação do pedido.
No aborto, protege-se a vida intrauterina - isto está em todos os manuais de Direito Penal. Mas - e isto não está nos manuais - uma vida intrauterina que venha a converter-se em vida extrauterina. Ao tempo da elaboração do Código Penal - final dos anos 30 -, a ciência médica não tinha todos os aparelhos que hoje existem e que podem, desde o início da gestação, detectar se aquele feto tem condições de sobreviver fora do útero materno. Se não tiver condições, não há porque nem como obrigar a gestante a levar a gravidez a termo, sabendo que tal estado importa em alteração do funcionamento do organismo da mulher. Amparam-se no princípio da dignidade da pessoa humana - um dos pilares do Estado Democrático de Direito - os que defendem a ideia de permitir que a gestante interrompa a gravidez em caso de anencefalia.
Foram apresentados projetos de lei nesse sentido - um deles, por uma deputada federal pelo Rio de Janeiro, a médica Jandira Feghalli - mas esses projetos nunca foram adiante nas casas legislativas de Brasília (talvez por ser um tema extremamente polêmico).
A anencefalia, conforme dito linhas acima, é um dos problemas, e certamente o que mais ocorre, mas há outros, conforme também dito, que atingem fetos tornando-os inviáveis para a vida fora do útero. Num dos casos em que trabalhei, o feto não tinha os rins; em outro, faltava a coluna vertebral. EStá sendo o o STF chamado mais uma vez a legislar, tarefa que os nossos deputados e senadores não fazem, embora recebam 14 salários por ano e mais algumas vantagens, cuja palavra que melhor as exprime é MORDOMIA.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …