Pular para o conteúdo principal

A envenadora

                    Dona Luzia – é melhor chamá-la assim, pois era, quando do julgamento, sexagenária – foi denunciada sob a acusação de haver matado o marido por envenenamento: portanto, homicídio qualificado e com agravante do parentesco (cônjuge). O processo tramitou por Campinas, mas o julgamento deu-se na Vara Distrital de Valinhos; foi, aliás, o primeiro julgamento pelo júri realizado naquela hoje comarca.

          Moravam na área rural, em um sítio, o casal e os filhos. Ela era constantemente maltratada por ele, que, além disso, entregava-se ao consumo desmedido de bebida alcoólica, mais especificamente, pinga.
          Cansada daquela vida de sofrimento, ela colocou algumas gotas de formicida na garrafa de pinga do marido. Ele, sem saber, ingeriu um gole, sentiu que estava estranho o gosto, olhou contra a luz e viu que o líquido estava leitoso. Começou a sentir-se mal, chamou um dos filhos e lhe disse que a mulher havia colocado veneno no aguardente. O filho pretendeu leva-lo ao hospital. Ele não quis, dizendo que tomaria um copo de leite e ficaria bem. Não melhorou, obviamente: desencarnou.
          Dona Luzia foi processada sob a acusação de haver praticado homicídio qualificado pelo emprego de veneno e havia, ainda, a circunstância agravante da vítima ser seu cônjuge. A instrução foi realizada na Vara do Júri da comarca de Campinas e, pronunciada, foi o julgamento marcado para a cidade de Valinhos, que, naquela época, era uma vara distrital da comarca de Campinas.
          Não havia praticamente o que alegar em sua defesa: ela confessara em ambas as oportunidades em que fora ouvida (tanto no inquérito policial, quanto na instrução criminal) ter adicionado veneno à bebida do marido; a perícia constatara que a morte se dera por envenenamento; eles eram casados; tudo estava, portanto, provado.
          Dois alunos da Faculdade de Direito da PUCCamp, que haviam sido meus alunos e eram meus monitores[1], e que já haviam participado de um julgamento comigo (coincidentemente, uma mulher, Maria de Fátima, que matara o marido, mas com disparos de arma de fogo) ficaram encarregados de atuar na defesa e a tese seria o homicídio privilegiado (eu faria a introdução – saudação – e o encerramento): se aceita pelos jurados, a pena de 12 anos de reclusão seria diminuída entre um terço e um sexto, o que daria, dependendo da benevolência do magistrado na fixação da pena, se diminuísse de um terço, uma pena de 8 anos; compensando a agravante de ter sido praticado contra cônjuge com a atenuante da confissão espontânea, a pena final seria essa, de 8 anos, o que daria, pelo menos, que fosse o cumprimento iniciado no regime semi-aberto[2].
          No dia do seu julgamento, ela foi interrogada e, ao término desse ato processual, o magistrado indagou se ela queria acrescentar algo mais e ela, aos prantos, disse que não tinha a intenção de matá-lo; que a dose de veneno colocada fora ínfima, apenas com a intenção de provocar nele um mal estar, dano até, ao seu organismo, principalmente estômago, para que ele não mais ingerisse bebida alcoólica. Notei que essa atitude impressionou vivamente os jurados. Olhei para os estagiários e disse-lhes: “podem guardar as anotações; eu vou fazer a defesa inteira e a tese será lesão corporal seguida de morte[3] e não mais homicídio”.
          E foi o que fiz: pedi a desclassificação para lesão corporal seguida de morte e enfatizei tanto as condições sofridas em que ela vivia ao lado do marido (um dos filhos depôs e disse que o pai era dado à zoofilia) que uma das juradas não conteve as lágrimas. Na sala secreta, os jurados, por unanimidade, acolheram a tese da defesa.
          Mas havia mais um problema: a pena mínima de 4 anos de reclusão deveria ser agravada duplamente, primeiro, pelo emprego de veneno; segundo, por ser a vítima cônjuge. Havia apenas um atenuante: confissão espontânea. O cálculo daria uma pena superior a 4 anos, o que faria com que ela tivesse de iniciar o cumprimento no regime semi-aberto.  Porém, o magistrado equivocou-se (e tudo indica que foi um equívoco consciente) na fixação da pena e em vez de uma atenuante, reconheceu duas: confissão espontânea e maior de 60[4]. Compensando as atenuantes com as agravantes, a pena final foi de 4 anos de reclusão a ser cumprida desde o início (e integralmente, portanto) no regime aberto – prisão albergue.















[1] . Luís Eduardo Vidotto de Andrade e Antonio Cândido Reis de Toledo Leite.
[2] . Até 4 anos de pena privativa de liberdade (exceto quando se trata de crime hediondo), pode ser fixado o regime aberto desde o início; de 4 a 8 anos, regime semi-aberto; acima de 8, regime fechado. Esta classificação leva em conta apenas a quantidade de pena; outros requisitos, porém, são necessários, como, por exemplo, a primariedade do condenado.
[3] . Artigo 129, parágrafo 3°, do Código Penal: “se resulta morte e as circunstâncias evidenciam que o agente não quis o resultado, nem assumiu o risco de produzi-lo”; nesse caso, a pena é de 4 a 12 anos de reclusão.
[4] . A atenuante etária ocorre, numa das hipóteses, quando o réu é maior de 70 anos – Código Penal, artigo 64, inciso I.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …