Pular para o conteúdo principal

Furto e vontade da vítima

O crime de furto está descrito no artigo 155 do Código Penal: "subtrair para si ou para outrem coisa alheia", com a pena de reclusão, de 1 a 4 anos, mais multa (de 10 a 360 dias-multa, cada um no valor de 1/30 do salário mínimo a 5 vezes o salário mínimo. Esta descrição, perfeita, é do ano de 1.940, ano do decreto-lei que instituiu o Código. O ladrão será processado independemente da vontade da vítima, pois se trata de ação penal pública: a autoridade que tomar conhecimento do fato deverá iniciar o procedimento tendente a apurar o fato; se for procedente, impor a pena ao autor da subtração.
De tempos até esta data têm surgido iniciativas de modificar a lei, no sentido de dar um pouco de voz à vítima, ouvindo-a se pretende a punição do ladrão (como Procurador do Estado atuando em defesa de acusados que não podiam custear os honorários de advogado, vi vária vez a vítima pretendendo "paralisar" o processo, seja porque a coisa era de pequeno valor [hoje aplica-se o princípio da insignificância], seja porque o transtorno de ir ao fórum para participar da audiência causava-lhe mais prejuízo do que a subtração em si).
Os estudiosos do Direito Penal afirmam que a coisa alheia móvel, objeto material do crime de furto, é um bem disponível e que, portanto, o consentimento do ofendido (vítima) pode afastar a tipicidade do fato. O consentimento, porém, para ser válido, deve preencher alguns requisitos: livre de qualquer constrangimento, recair sobre bem disponível (como no caso do furto) e proveniente de pessoa capaz. Claus Roxin dá um exemplo interessante: uma pessoa é despertada por ruídos provenientes da sala de sua casa; levanta-se e vê um ladrão desligando os fios do aparelho de dvd; numa "romântica troca de opinião", a vítima diz ao ladrão: "pode levar o aparelho, mas deixe os filmes porque eles têm valor afetivo para mim". Ele consentiu com a subtração e o fato deixou de ser típico. O exemplo do mestre alemão remete a outro requisito do consentimento do ofendido: deve ocorrer antes ou durante a ação, nunca depois.
O portal do Superior Tribunal de Justiça (stj.jus.br) traz hoje como uma das manchetes isto: "novo Código Penal: processo por furto dependerá de representação da vítima". Ou seja: finalmente, será (caso o projeto seja aprovado) dada voz à vítima, que dirá, fazendo uma representação, se pretende a punição do autor da subtração.
Mas FSP, caderno Cotidiano, traz esta manchete: "Novo Código Penal propõe conciliação com o ladrão". Esta manchete difere do contido no portal do STJ: somente depois de analisar o texto é que será possível emitir uma opinião.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …