Pular para o conteúdo principal

Mercadoria ou direito do cidadão

Há uma contenda entre dois organismos internacionais, o Banco Mundial e a UNESCO, sobre o ensino superior: para o primeiro, trata-se de mercadoria; para o segundo, direito do cidadão e dever do Estado. No Brasil, a Magna Carta (que não é de João Sem Terra...) estabelece que o ensino fundamental é direito do cidadão e obrigação do Estado. Quanto ao ensino superior...
Quanto ao ensino superior, como eu vinha dizendo, parece que a ideia imperante é a defendida pelo Banco Mundial e isso fica muito nítido no campo do ensino jurídico. No mundo inteiro existem 1.100 cursos jurídicos; no Brasil. 1.210. No estado de São Paulo existem 241 cursos jurídicos e as histórias ouvidas e vistas nesse campo são, como se dizia na minha terra natal, "de arrepiar cabelo de careca", tão estarrecedoras.
Criou-se até uma anedota: o motorista da van que transportou os candidatos para submeterem-se ao vestibular foi, de gozação, inscrito na última hora e obteve aprovação. Outra: uma pessoa perdeu a carteira de identidade na calçada de um curso jurídico e, ao ir buscá-la, foi surpreendido: estava inscrito no curso. Argumentou: "mas já sou formado". Resposta: "então você será professor".
Anedotas à parte, quando vejo um outdoor imenso dizendo que o curso jurídico ali anunciado oferece o  "melhor ensino pelo menor preço" tenho tremor nas mãos e quase tenho convulsão. As mesmas sensações que experimento quando vejo anunciado que o vestibular é continuado. Estão caçando alunos com laço.
Esses milhares de bacharéis que são inescrupulosamente despejados (literalmente) no mercado de trabalho sofrem a primeira decepção quando submetem-se ao exame da OAB e são reprovados. Como a OAB reprova muito, já houve quem tentasse arguir de inconstitucional a lei que instituiu o exame e a entidade que a isso se aventurou "apanhou de goleada" do pleno do STF. A entidade de classe foi acusada de fazer da prova uma indústria arrecadatória e quem disse tal asneira não pensou um segundo sequer: seria muito mais interessante aprovar todos, assim eles pagariam uma anuidade, que é muito maior do que a taxa do exame. 
O exame da OAB deve continuar (mas sei que há projeto de lei extinguindo-o), a fim de colocar um freio na adoção da teoria de que o ensino jurídico é mercadoria. É muito mais sério do que isso. Nós, professores, que o digamos.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …