Pular para o conteúdo principal

Trânsito

O Brasil tem um Código de Trânsito relativamente novo: é do ano de 1.997. Em se tratando de lei, quase uma década e meia representa pouco tempo. Antes dele, o anterior, dos anos 60, não definia os crimes: continha apenas as infrações administrativas. Os crimes cometidos na direção de veículo automotor estavam "espalhados" em diversas leis. Por exemplo: embriaguez ao volante era uma contavenção penal (não com esse título, mas sob o título de "direção perigosa de veículo": construiu-se o entendimento judicial de que quem dirigia embriagado criava um perigo). As mortes culposas e as lesões corporais culposas eram as definidas no Código Penal. No ano de 1997, depois de uma gritaria pela mídia, que afirmava que as penas eram "leves" para os crims no trânsito (essa gritaria ainda persiste e aqui vale lembrar uma frase de Eric Hobsbawm: "A paixão com que essas opiniões são defendidas é inversamente proporcional ao conhecimento que se tem dos fatos"; aqueles que pedem penas mais severas nunca sabem quais são as penas previstas para os crimes por cuja severidade lutam). O Código de Trânsict tratou de todos esses problemas: prevê não apenas as infrações administrativas como também os crimes. Homicídio culposo, lesão corporal culposa, embriaguez ao volante, são crimes definidos no cõdigo; estacionar em local proibido é infração administrativa. Mas por que há tanto desrespeito às normas de trânsito, especialmente às administrativas? A resposta talvez esteja naquilo que há uns dois anos foi dito pelo presidente da Confederação das Auto-Escolas (em tucanês: "centro de formação de condutores" [apenas para lembrar: conduzir-se é próprio da pessoa humana, conforme de passagem eu disse no texto de sábado; qualquer dia falarei mais sobre isso]): "as pessoas procuram as auto-escolas apenas para obter a carteira de habilitação, não para aprenderem a dirigir". Lembra a atitude daquela aluno de faculdade que estuda apenas para as provas e não para aprender. Por exemplo, algo que em muitas cidades brasileiras não é praticado: alguém sabe - e respeita - que nos cruzamentos não sinalizados o pedestre tem preferência de passagem em sua faixa e que, portanto, o motorista é obrigado a parar o veículo? Dá gosto andar a pé em cidades de primeiro mundo, principalmente nas estadunidenses: ainda que esteja trafegando um veículo apenas, o seu motorista imobiliza-o para que o pedestre possa cruzar a rua. Nas primeiras vezes, eu, que não estava habituado a tal "gentileza", ficava até envergonhado e quase me recusava a cruzar a rua.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …