Pular para o conteúdo principal

Uma prova inusitada


Sabe-se que em Direito Processual Penal o fato pode (deve) ser demonstrado por todos os meios de prova em direito admitidos. Nessa linha de exposição deve ser feita referência à prova ilícita. O cuidado da lei brasileira foi tão longe que a proibição de produção (melhor seria dizer: utilização) de prova ilícita alcançou estatura constitucional. Sim, o artigo 5º, inciso LVI, não admite no processo (seja cível, seja criminal) a prova obtida por meio ilícito. Da mesma forma, o Código de Processo Penal estabelece no artigo 157 que são inadmissíveis as provas obtidas com violação às normas constitucionais ou legais (esta redação é da reforma de 2008).
                        Feitas estas breves observações, há uma – por assim dizer – total liberdade de provar o que se alega, ressalvando-se, porém, que o mesmo Código de Processo Penal alerta que “a prova da alegação incumbirá a quem a fizer” – é a dicção do artigo 156. A criatividade pesa muito na produção probatória.
                        Num caso interessante, ocorrido nos Estados Unidos, envolvendo um “serial killer”, uma das formas de provar que ele era o autor dos delitos contra a dignidade sexual e contra a vida foi inusitada. Uma das provas porque havia outras, mais usuais, como o exame de DNA e as impressões digitais. Ele havia estuprado e matado duas mulheres: num dos locais ele deixou impressões digitais que, examinadas num primeiro momento, não conduziram a nenhum suspeito pois ele, o autor, não estava ainda cadastrado no AFIS – “automated fingerprint identification system”. De ambas as vítimas foi colhido sêmen para futuro exame.
                        A terceira vítima não foi morta e foi ela que, inconscientemente, produziu a inusitada prova que auxiliaria a incriminar o seu algoz. Ele obrigou-a a praticar sexo oral nele e ela tascou-lhe uma mordida no órgão genital, produzindo um ferimento. Não se sabe porque ele não a matou – ele havia matado as duas anteriores vítimas. Talvez pela dor? Pela insólita reação?
                        Por conta de outra infração, as suas impressões digitais passaram a fazer parte do AFIS e o confronto entre as suas e aquelas obtidas no local de um dos crimes serviu para provar que ele ali estivera. Ele se negou a fornecer material para o exame de DNA, bem como a despir-se para ter o genital examinado, mas a polícia obteve um mandado (em alguns estados norteamericanos há lei permitindo) obrigando-o a fornecer o material. Feita a confrontação, ele foi apontado como o autor das duas violações criminosas. E foi reconhecido pela vítima sobrevivente. O seu pênis (o instrumento do crime, diga-se...) foi examinado e, sim, foi ali constatado um ferimento.
                        Foi condenado à morte, tendo sido executado no dia 10 de fevereiro de 2009, às 18 horas e 21 minutos, na prisão de Huntsville, no Texas. Ele foi o 10º executado nos EUA naquele ano, o 1.146º nos EUA desde 1976, o 7º no Texas em 2009 e o 430º no Texas desde 1976. Entre os crimes e a execução da pena passaram-se 13 anos; entre a condenação e a execução, 6.
                    Sua última refeição foi composta de duas coxas de frango fritas picantes, batatas fritas e ketchup e duas costeletas de porco fritas picantes.
                     E suas últimas palavras foram: “minha única declaração é que não existem casos julgados que estejam livres de erro (judiciário?). Estas são as minhas palavras. Nenhum caso está livre de erro”.
                        Morreu por injeção letal, aos 36 anos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …