Pular para o conteúdo principal

Dilma e a linguagem de sinais



            Aproximadamente um ano após obter a minha inscrição na OAB/S (era o ano de 1977), tive a oportunidade de prestar um serviço voluntário na cadeia pública do São Bernardo, o famoso “cadeião” de tantas histórias (uma delas, a mais dramática, foi uma rebelião “sufocada” pela PM, ao custo de muitas vidas – mas esta é outra história). O juiz titular da 2ª Vara Criminal de Campinas[1], que cumulava o Tribunal do Júri e a Corregedoria dos Presídios e da Policia Judiciária, criou uma ONG, chamada Patronato de Ajuda ao Reeducando – PAR, que atuava no “cadeião”. Anos depois a lei de execução penal passou a chamar os condenados de “reeducandos” – uma das finalidades da pena, na prevenção especial, é “reeducar” o condenado.
            Nas tardes de sábado eu ia àquele presídio para prestar algum tipo de auxílio jurídico-penal aos encarcerados. Chamou-me a atenção dois expedientes que os presos utilizavam no cotidiano: um espelhinho para observar se algum carcereiro caminhava pelo corredor e a linguagem de mão (sinais). Este expediente prendeu mais a minha atenção: os presos comunicavam-se fazendo sinais com os dedos da mão direito tal qual as pessoas mudas fazem. Esse hábito tem origem no sistema penitenciário auburniano, surgido na cidade de Auburn, estado de New York, em que os condenados eram obrigados a permanecer em silêncio todo o tempo, sendo, por isso, chamado de “silente system”, e, para a comunicação entre si, desenvolveram esse alfabeto. O mais interessante era a rapidez com que os presos faziam os sinais.
            Voltei, agora como Procurador do Estado, a trabalhar no “cadeião”, duas vezes por semanas e aprofundei o meu interesse por essa linguagem: era o ano de 1983. Ensaiei até umas conversas com alguns presos.
            No Brasil existe uma linguagem para a comunicação entre pessoas mudas, chamada LIBRAS – Linguagem Brasileira de Sinais. É oficial e há cursos sobre ele.
            A presidente Dilma precisa ser cientificada do que as pessoas estão pedindo nas ruas ainda que seja pela linguagem LIBRAS, pois ela tem se portado como uma surda acerca dos pedidos feitos pelas pessoas que estão na rua. Ele deveria designar alguns “arapongas” da ABIN – Agência Brasileira de Informações (herança do poder militar), que mais deveria ser chamada de Agência de Bisbilhotice Nacional – para vasculhar as redes sociais e constatar o que está sendo veiculado; ou enviar “arapongas” para as ruas a fim de ler os cartazes que os manifestantes portam. Ninguém pediu plebiscito: o que a esmagadora maioria quer é, por exemplo, o retorno da moralidade na atividade da Administração Pública e outras que não pertinentes à atividade dela: ela não pode, por exemplo, mandar os “mensaleiros” para a cadeia já, mas o partido a que eles pertencem, coincidentemente o mesmo partido a que ela pertence e que passou mais de duas décadas prometendo a ética na política, pode, em respeito à moralidade, pedir que eles sejam “sacados” da CCJ da Câmara.
            Ela tem desempenhado o papel de surda, mas não o de muda: sempre que ela se manifesta, além de gastar “uma nota” em maquiagem e cabelos, ela fica se cobrindo de elogios, como se ela e o seu antecessor tivessem redemocratizado o Brasil.


 


[1] . Roberto Telles Sampaio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …