Pular para o conteúdo principal

A internet do vizinho e a "res derelicta"





            O Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou provimento a um recurso do Ministério Público Federal interposto contra a absolvição de uma pessoa acusada de ter praticado delito previsto numa lei específica, a nº 9.472, de 16 de julho de 1997, que versa sobre telecomunicações. O delito está descrito no artigo 183 dessa lei especial, cujo teor é o seguinte: “desenvolver clandestinamente atividade de telecomunicação”. As penas são de detenção, de 2 a 4 anos (aumentada de metade se houver dano a terceiro) e multa de R$10.000,00. Entendeu o relator – no que foi acompanhado pelos demais – que tal conduta era juridicamente irrelevante. O réu havia “compartilhado” o serviço que houvera contratado com outras pessoas.
            Diferente situação é a da pessoa que se “apropria” do sinal de internet de seu vizinho. A Parte Especial do Código Penal é do ano de 1940 e pela sua vetustez muitos “juristas “, especialmente aqueles da mídia, dizem que ele está ultrapassado. Crasso engano. Em muitos pontos, ele é totalmente atual, como, por exemplo, nos crimes patrimoniais, tais como furto e estelionato, assim como apropriação de coisa achada. É que estes delitos são classificados como “de forma livre”, o que vale dizer, podem ser cometidos por qualquer meio que a imaginação humana conseguir criar. O crime de furto, por exemplo. A sua descrição, que está no artigo 155, é esta: “subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel”. Surrupiar a carteira do bolso da vítima utilizando a mão; “afanar” uma joia de uma vitrine com uma vara de pescar; treinar um sagui para passar por um vão estreito e retirar um objeto do local.
            Porém, à caracterização crime de furto é necessário que a coisa tenha dono e isto fica muito claro pela palavra constante do tipo “alheia”: ela deve ser de outrem e o seu proprietário deve ter a vontade de tê-la para si: se ele a desprezar, abandonando-a, quem a encontrar e dela se apropriar não cometerá nenhum ilícito penal. A isso se chama “res derelicta” (coisa abandonada). Em português há uma palavra derivada dessa, derrelito, que justamente significa abandonado, posto de lado. Se o proprietário, todavia, perde-la e alguém acha-la e dela se apropriar, cometerá o crime de apropriação de coisa achada.
            Com o advento da “internet”, surgiu, em algumas áreas do Direito Penal, alguma perplexidade, como, por exemplo, nos crimes contra a honra: é possível atingir a honra de alguém por esse meio eletrônico? A resposta foi afirmativa. Com o surgimento da “wireless”, em que as ondas se espalham e podem ser acessadas por pessoas além do adquirente do serviço, nova dúvida surgiu.
            Para melhor entendimento, é necessário fazer uma comparação com outros serviços, tais como o de energia elétrica e um mais recente, o de televisão a cabo. O Código Penal estabelece no parágrafo 3º do artigo 155 que a energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico é equiparada à coisa móvel. Tendo em vista a equiparação, quando alguém faz um “gato” no poste “puxando” a energia sem pagar por ela, comete o crime de furto; identicamente se ele colocar um “chupa-cabra” no relógio marcador do consumo de energia. Há uma filigrana jurídica quanto à forma de obtenção da vantagem, podendo, dependendo da forma de realização, constituir-se no crime de estelionato.
            Além da equiparação, é necessário que a coisa seja subtraída: este é o verbo do tipo, é a ação que deve ser praticada pelo sujeito ativo. Um sinônimo do verbo subtrair é tirar, ou seja, fazer algum esforço para conseguir ter a coisa.
            No caso do “wireless”, a coisa – a onda – se espalha “invadindo” as casas das pessoas que se encontram nas proximidades do local em que está o adquirente do serviço. Se ele não protege-la com uma senha, providência que é tão fácil que até uma criança consegue fazer, ele a está desprezando, abandonando-a, de forma que quem dela se “apropriar”, não cometerá nenhum crime patrimonial. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto