Pular para o conteúdo principal

Dia "D"- Embargos infringentes no STF


 
            Um número incalculável de pessoas vem, há semanas, falando “dos embargos infringentes” e o vozerio aumentou depois que houve empate na votação pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a sua admissibilidade ou não. Como, sabiamente, o número de ministros é ímpar, jamais poderia haver empate nas suas decisões; em tese, todavia, pode haver, dependendo da natureza da causa, pois alguns temas exigem a presença de todos os ministros, o que inviabiliza o empate.
            Sem querer ministrar lições sobre o tema, sempre é bom esclarecer que a discussão que agora se verifica na suprema corte é, como dito acima, a respeito do cabimento ou não desse recurso. Compartilhei no Facebook duas opiniões publicadas pela FOLHA DE SÃO PAULO da edição de sábado, terceira página, seção “tendências e debates”. Obviamente, uma favorável, outra contrária. O que está gerando a confusão – se é que assim se pode dizer – é que há um aparente conflito entre o Regimento Interno e a lei que disciplinou esse tipo de julgamento (nº 8.038/90) – ação criminal originária, ou seja, que é julgada em única e última instância pelo STF.  Para alguns, a lei revogou o regimento (nesse ponto); para outros, não.
            O artigo 333 do Regimento Interno do Supremo Tribunal de Federal estabelece que
            “cabem embargos infringentes à decisão não unânime do Plenário ou de Turma:
            I – que julgar procedente a ação penal”.
            O parágrafo único desse artigo dispõe assim:
            “o cabimento dos embargos, em decisão do Plenário, depende da existência, no mínimo, de quatro votos divergentes, salvo nos casos de julgamento criminal em sessão secreta”.
            Outro artigo que dispõe sobre o tema é o 76:
            “se a decisão embargada for de Turma, far-se-á a distribuição dos embargos entre os ministros da outra; se do Plenário, serão excluídos da distribuição o Relator e o Revisor”.
            Alguns outros falam sobre os prazos para a interposição dos embargos, outro dispõe sobre o prazo para que a defesa se manifeste; não importam à presente abordagem.
            Tudo indica que o ministro Celso de Mello, legalista ao extremo e que teve “mão pesada” na apreciação da prova e na individualização das penas, votará pela admissão dos embargos e é isso que tem levado o pânico às pessoas – as com quem convivo diariamente e que são de grupos diferentes têm servido de “amostragem” do “pavor” que se apoderou das pessoas.
            Como visto, admitidos os embargos, far-se-á nova distribuição para novo relator, não podendo os embargos serem distribuídos nem ao relator – Joaquim Barbosa -, nem ao revisor – Ricardo Lewandowski. Poderá qualquer outro ministro ser nomeado relator, inclusive alguns daqueles que já deram mostras de que um crime – quadrilha – não estava devidamente provado, ou de que as penas foram excessivamente altas.
            Embora admitidos os embargos, é difícil que o quadro seja profundamente modificado, podendo ocorrer, quando muito, a diminuição das penas e aqui reside outro medo da população: alguns réus seriam beneficiados com a prescrição. Que as penas foram aplicadas num grau muito elevado, que fugiu ao padrão até então existente no STF não há dúvida (já escrevi sobre o tema: “O mito da pena mínima e o ‘mensalão’”)
            Admitidos os embargos infringente, mas não providos (para esta solução incontáveis pessoas “torcem”), virão os embargos dos embargos, dos embargos e esse histórico julgamento se eternizará no tempo.
            Não é isto também que quer grande parte dos brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto