Pular para o conteúdo principal

Dois povos, duas atitudes



            Anos atrás, assisti a uma entrevista de um sociólogo árabe no canal Globonews em que ele disse que os EUA eram a maior potência de todos os tempos (não pude deixar de lembrar de Alexandre, o Grande, nem dos vikings, nem, claro, dos romanos e seu Império); era, obviamente, ressaltado o espírito bélico dos estadunidenses. De lá para cá os EUA invadiram o Iraque e ameaçam agora invadir a Síria (o pretexto para a invasão ao Iraque foi a posse de armas e, depois se constatou, tratava-se de uma mentira; o pretexto para invadir a Síria é a utilização de armas químicas na guerra interna que ali acontece).
            Essa lembrança me veio à mente quando li num jornal semanal distribuído gratuitamente em New York, chamado Epoch Times (que, ao contrário daquele que é distribuído diariamente em Campinas [e outras cidades, inclusive do exterior], traz reportagens longas de assuntos sérios), a seguinte matéria: “Justice Elusive for Parentes of  Slain Youth”. O subtítulo é: “parents dedicated to changing culture of violence”. Na reportagem é mostrado e entrevistado Chris Owens, pai de um adolescente de 13 anos que foi alvejado no Harlem, na esquina da avenida 8 com a rua 125. Ele não morreu no momento do ataque, foi socorrido mas entrou em coma irreversível. Depois de algum tempo os médicos chamaram Chris e pediram permissão para desligar as máquinas que mantinham o adolescente vivo. Diz Chris: “eu tive que tomar a decisão mais difícil da minha vida. Ele era meu único filho”. O jovem morreu em abril de 2009.
            Depois disso, ele criou a “Chris S. Owens Foundation”(era o nome de seu filho), para, como diz o subtítulo da matéria, “mudar a cultura da violência”, especialmente aquela que tem como vítima os jovens. Como realce final: a polícia de New York oferece uma recompensa de 12 mil dólares por qualquer informação que leve à prisão do (até agora) desconhecido matador.
            O Brasil nunca foi (nem será) um império e dizem que o brasileiro é "cordial": a filha da novelista Glória Perez (Daniella Perez) foi morta pelo colega Guilherme de Pádua (os detalhes são conhecidos de todos) e ela fez uma campanha nacional de coleta de assinaturas para modificar o Código Penal, tornando o homicídio qualificado crime hediondo, com todas as, na época, consequências. Conseguiu o seu objetivo e a sua campanha resultou na lei (Glória Perez) nº 8.930, de 6 de setembro de 1994. A sua ideia, péssima por qualquer ângulo que se a analise, tinha como única finalidade punir mais severamente o autor (foram dois autores na verdade: Guilherme de Pádua e sua mulher, Paula Thomaz), o que equivale dizer, fazer com que a “novatio legis” retroagisse para alcançar fato cometido antes de sua entrada em vigor. Conseguiu aprovar a lei, porém não o seu efeito retroativo. A concessão, pelo juiz da Vara das Execuções Criminais do Rio de Janeiro, de progressão prisional (que era proibido pela lei de crimes hediondos) a Guilherme de Pádua foi a matéria de abertura do Jornal Nacional: era visível a expressão de descontentamento (talvez ira?) de William Bonner com a decisão; a notícia também informava que o Ministério Público recorreria contra a concessão. Debalde.
            Dois povos, duas atitudes: quem é o belicista?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …