Pular para o conteúdo principal

Garganta profunda





            “Deep throat” foi o filme pornô mais famoso de todos os tempos e a atriz que o estrelou  Linda Lovelace, tornou-se a atriz pornô mais aclamada de todos os tempos. Ele foi filmado no ano de 1972 em apenas seis dias e custou, principalmente se comparado com as superproduções de hoje, a bagatela de 25 mil dólares. Arrecadou mais de 600 milhões de dólares e, conforme alguns, mudou a cultura sexual nos Estados Unidos. O nome do filme deve-se ao fato de que a personagem teria o clitoris na garganta...
            Hoje os canais de televisão pagos estão inundados por essa espécie de filme, especialmente nos horários da madrugada – para constatar isto, basta consultar a grade de programação de uma operadora de televisão a cabo. Alguns filmes mostram as cenas de sexo às escâncaras.
            Quem não conheceu a história de Linda Lovelace, aliás Linda Boreman, se surpreenderá ao ver o filme que tem o seu nome artístico: “Lovelace”. Pois inicialmente pensa-se muito mal de uma mulher que em plena década de setenta, início, melhor dizendo, propõe-se a estrelar uma película em que talvez o “take” mais apoteótico é uma cena de sexo oral, envolvendo-a e ao ator principal, cujo nome artístico era “Dick Long” – segundo se insinua pelo apelido, um “bem dotado”.
            Ao contrário do que se pensava, a vida dessa atriz foi um martírio nas mãos de seu marido, que lhe aplicava surras constantes, ferindo-a, obrigando-a a praticar sexo com outros homens e recebendo (ele) por isso. Uma autêntica prática de rufianismo e ela, de prostituição. Ela consegue libertar-se dela, divorciando-se, e depois, regenerando-se (por assim dizer), repudia tudo aquilo que fez e se casa novamente com um simples operário, constituindo família.
            Ela não apenas repudiou tudo aquilo que fizera – tornou-se uma ativista contra a pornografia. Neste ponto, o seu repúdio à pornografia lembra uma atitude tomada por outra estadunidense que provocou uma reviravolta jurídica e depois arrependeu-se: Norma L. McCorvey, aliás Jane Roe, que conseguiu na Suprema Corte dos EUA autorização para submeter-se a um aborto, obteve-a e depois tornou-se uma ativista anti-aborto. Linda escreveu sua autobiografia – “Ordeal” – em que conta toda a sua “via crucis” e o seu editor obrigou-a submeter-se ao teste do polígrafo (“detector de mentiras”) para confirmar se o que ela estava dizendo era mesmo verdade. Comprovada a veracidade do que contava, foi o seu livro publicado.
            Linda Lovelace, aliás Linda Boreman, aliás Linda Macchiano (nome de seu marido no segundo casamento) morreu aos 53 anos em virtude dos ferimentos sofridos num acidente de carro. Seu ex-marido, que lhe houvera causados incontáveis sofrimentos físicos e morais, desencarnou 3 meses após, vítima de um infarto.
            Garganta profunda foi, também, o apelido do informante secreto dos jornalistas do Washington Post, Bob Woodward e Carl Bernstein, que a ambos revelou que o presidente Richard Nixon sabia do arrombamento do escritório do Partido Democrata no Edifício Watergate.
            O filme, como dito, rendeu 600 milhões de dólares, dos quais Linda recebeu irrisório 1.250 dólares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …