Pular para o conteúdo principal

A infância e os seres reais e imaginários




            Qualquer pessoa da minha faixa etária teve em sua infância a mente habitada por seres reais e imaginários – muitos destes fruto da fantasia. Mas nos tempos atuais talvez isso tenha mudado, pois os seres que habitam a infância são os personagens de jogos eletrônicos, existentes aos montes. Na minha infância – e já se vão longos mais de 50 anos -, e, portanto, na infância das pessoas da mesma faixa etária, os personagens que nos assustavam ou nos deleitavam eram de carne e osso ou de pura ficção.
            Nasci e morei até quase os 16 anos numa cidade pequena: Jaú. Além dos seres irreais, que nos provocavam medo, havia os seres reais cercados de mistério e indagação. Causava-nos medo, por exemplo, a ideia de encontrar um lobisomem ao voltar para casa tarde da noite – por volta de 10 horas, especialmente se fosse numa sexta-feira, dia em que a pessoa se transformava no ser mitológico. Um amigo afirmava que um seu amigo havia visto um lobisomem no galinheiro de sua casa. Outro, que tinha vindo da zona rural, dizia que todas as noites, antes de dormir, como se fosse uma oração, tinha que pedir à “pisadeira” que desse três voltas no mar até o dia clarear. Descobri, tempos depois, por intermédio de minha avó materna, que havia morado num sítio, que a “pisadeira” na verdade era o pesadelo: a pessoa orava para que o pesadelo não a atormentasse durante o sono - ou seja, não importunasse durante o sono (ela gastaria bem mais do que as 8 horas de sono para "dar 3 voltas no mar"). Se fosse atirada uma peneira num rodamoinho seria capturado o gorro vermelho do Saci: nunca tive a oportunidade de ter em mãos uma peneira ao presenciar um rodamoinho, embora tenha visto incontáveis, para tentar capturar o gorro.
            Na cidade havia também os seres reais, de carne e osso, que nos incutiam medo ou respeito. Um deles era chamado de “Criolando” (creio que o seu nome fosse Coriolano) e, embora adulto, estava sempre montado num cavalinho de pau (sim, aqueles feitos com cabo de vassoura – se bem que o dele fosse mais caprichado), transitando pelas ruas da cidade. Afirmava-se que ele tinha um sexto sentido que o fazia pressentir a morte das pessoas e, tão logo recebia a notícia, dirigia-se à casa do falecido, por vezes chegando antes de que a família tivesse recebido a triste novidade. E, nessa época, os velórios eram feitos na residência da pessoa morta e o féretro percorria toda a cidade a pé até o cemitério. Não sei se era folclore, e nem consegui confirmar, pois ninguém da minha família faleceu e recebeu a visita do “Criolando”.
            “Niba louco” era outro dos personagens e este metia medo nas pessoas. Com evidentes problemas mentais – daí o epíteto “louco”-, estava sempre vestindo bermuda, confeccionada por alguém de sua família, camisa e descalço. O seu nome era Aníbal. Ao vê-lo, infalivelmente as pessoas mudavam de calçada, numa atitude que, de certa forma, é exposta por Michel Foucault (“História da loucura”): o louco nos mete medo; os portadores de outras moléstias, compaixão. Uma ocasião, quando eu cursava o primário no GE Dr. Lopes  Rodrigues, ele começou a “malhar” o portão, que era de madeira e de duas partes, até quase arrancar uma das partes. Os alunos, entre os quais eu, ficamos em pânico.
            Aos 16 vim para Campinas e aqui encontrei seres de carne e osso – pessoas – tais quais havia em Jaú. Uma delas era o “Mané fala ó”. Os campineiros costumavam saudar-se dizendo “ó” e não “oi” e o Mané cumprimentava dessa forma as moças. Ele subia no estribo do bonde e ia andando e cumprimentando e a moça que não o conhecesse e não respondesse, ele ficava insistindo, o que fazia com que muitas ficassem assustadas. Bastava responder com um “ó” para que ele sossegasse. Outra era a “Gilda louca”: ficava no centro da cidade vestindo um faixa escrita “miss Campinas” e ela acreditava que fosse.
            Esses seres estão em franco processo de extinção, substituídos que estão sendo por seres virtuais, existentes em jogos eletrônicos. E nem há mais tempo para encetar campanhas de preservação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …