Pular para o conteúdo principal

Pichações



      Esse péssimo hábito que floresce no Brasil e, como não poderia fugir à regra, em Campinas também, é crime e como tal está definido na Lei n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, cuja ementa é a seguinte: “dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências”.
      Essa conduta, que para alguns não passa de um deleite, está, portanto, definida como crime desde o ano de 1998. Antes, porém, dessa criminalização por assim dizer direta, a doutrina penal brasileira hesitava ao tentar classifica-la como delituosa. Alguns doutrinadores, por todos Julio Fabbrini Mirabete, entendiam que o fato de pichar constituía o crime de dano, descrito no Código Penal no artigo 163, um crime constante do Título II da Parte Especial, o que vale dizer, contra o patrimônio, cujo teor é o seguinte: “destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia”, com a pena cominada de detenção, de 1 a 6 meses, ou multa. Pena privativa de liberdade ou multa. Ocorre que muitas vezes a pichação não destruía, inutilizava ou deteriorava a coisa alheia, somente a enfeava. Por exemplo: uma pichação num muro não o tornava inútil ao seu fim, que é cercar, quiçá proteger, a propriedade, nem o destruía, menos ainda o deteriorava. A interpretação que a doutrina propunha ofendia o princípio da reserva legal, já que se tratava de uma interpretação extensiva.
      Essa situação claudicante perdurou até o advento da lei n° 9.605/98 que definiu em seu artigo 65 a conduta, assim: “pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano”, cominando a pena de 6 meses a 1 ano, e multa. Além da conduta ser agora claramente descrita (como convém à lei penal), as penas são maiores do que às cominadas ao crime de dano, e aplicadas de forma cumulativa (privativa de liberdade e multa).
      O que talvez atrapalhe a compreensão do tipo penal em questão é um dos verbos do tipo, mais precisamente o “conspurcar”, cujo entendimento está mais para pessoas letradas do que a qualquer do povo. Digo isto baseado num fato: num processo em que atuei, dois rapazes eram acusados da prática desse delito e a conduta consistiu em pichar as paredes do banheiro da escola pública em que ambos estudavam e no momento em que a o TCO (termo circunstanciado de ocorrência, já que se trata de infração penal de menor potencial ofensivo, ou, como dizem alguns, "crime de bagatela")) foi lido eles assustaram-se com o verbo: “vocês foram apanhados conspurcando o banheiro da escola...”. Negaram imediatamente e depois se acalmaram quando eu lhes expliquei o significado do verbo em questão: pareceu-me que eles ligaram o verbo ("conspurcar") a alguma atividade sexual já que o local do crime era um banheiro....
      Brasileiro picha até estátua de cidadãos que contribuíram para a construção do país, para não dizer heróis (bem, de um povo que subtraiu e derreteu o maior símbolo do melhor futebol do mundo, a taça Jules Rimet pode se esperar qualquer coisa) e o que está faltando neste momento é a aplicação da lei penal: lei existe, o que falta é somente aplica-la.
      A propósito: conspurcar significa sujar, manchar, colocar ou deixar cair sujeira sobre.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto