Pular para o conteúdo principal

Quatro más notícias



      A mídia veiculou quatro más notícias em dias próximos e que guardam relação entre si.
      A primeira refere-se ao aumento do número de estupros: esse crime contra a dignidade sexual (tomou esse nome a partir de 2009; antes era crime contra os costumes) praticado mediante violência ou grave ameaça cresceu em 2012 18,17% em comparação com o ano anterior. Esse incremento serve para desmontar a tese de que bastam leis mais severas para que a criminalidade decresça, pois tal tipo penal foi elevado à categoria de crime hediondo no ano de 1970 e sofreu uma significativa alteração no ano de 2009 pela lei nº 12.015. É necessário acrescentar que o crime de estupro é daqueles que têm o maior índice de “campo escuro” ou “cifra negra”, pois muitas vítimas preferem não procurar as autoridades policiais para noticiar a ocorrência do delito.
      A segunda refere-se ao incremento de outro crime grave, este contra o bem mais precioso que uma pessoa pode ter, a vida: trata-se do homicídio doloso. No ano de 2011 ocorreram 22,5 mortes por grupo de 100 mil pessoas e no ano seguinte, 2012, subiu para 24,3. Também o homicídio, na modalidade qualificado, é um crime hediondo, passando a sê-lo no ano de 1994 por conta da “lei Glória Perez”.  Neste item identicamente se desmonta a tese de que leis mais severas fazem decrescer o índice de criminalidade, anotando-se que são 50 mil mortes por ano.
      A terceira é resultado de uma pesquisa que demonstrou que. numa pesquisa feita recentemente, aproximadamente 70% das pessoas entrevistadas não confiam na polícia. Aqui a explicação talvez seja muito simples: diariamente há notícia de policiais envolvidos em delitos, desde auxílio a ladrões de caixa eletrônico, passando pela concussão (extorsão praticada por funcionário público utilizando a função pública como “instrumento do crime”), pelo homicídio (grupos de extermínio e milícias) e finalizando na simples arbitrariedade. Quando o policial age corretamente é amplamente aplaudido e como exemplo pode ser citado o oficial da PM que alvejou um ladrão de moto surpreendido em pleno “ofício”. Outra possível explicação pela desconfiança: o baixo índice de resolução dos crimes. Para ficar apenas com o crime de homicídio, somente 8% dos casos são resolvidos.
      A quarta (e, felizmente, última) má notícia refere-se aos vencimentos dos Delegados de Polícia no estado de São Paulo. Após cursar cinco anos de faculdade de direito e submeter-se a um exame severo, ele ingressa na carreira percebendo pouco mais de seis mil reais por mês para uma jornada de trabalho muitas vezes estressante, especialmente nos presentes dias. Os seus “auxiliares”, investigadores e escrivães, percebem menos do que a autoridade, claro, e, se eu não estiver enganado, é um fator de desmotivação. É de se registrar que o estado de São Paulo, o mais rico da federação, é o que pior salário paga aos seus policiais.
      Apesar de ter havido um aumento de 15,83% na verba para a segurança pública no ano passado, com tantas más notícias assim é possível manter acesa a chama da esperança de que um dia a criminalidade decresça, ou, em outras palavras, que nós tenhamos mais segurança, ou, ainda, que tenhamos paz, no sentido de que possamos "dormir de portas e janelas abertas"? Entre aspas porque era um dos lemas do fascismo, mas este é outro assunto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto