Pular para o conteúdo principal

Delúbio e o regime (prisional) diferenciado


 
     
      Foi grande o meu susto ao ler a notícia que dizia que o ex-tesoureiro do PT fora transferido ao regime disciplinar diferenciado - RDD. Na verdade, a notícia era outra: estava sendo apurado o tratamento diferenciado que ele estava tendo no presídio em que cumpre em regime semiaberto a pena que lhe foi imposta na Ação Penal 470 – “mensalão”. Uma das expressões do “tratamento diferenciado” do mensaleiro consistiu numa feijoada que ele promoveu no interior do cárcere  num sábado (será que foi precedida da – para alguns – indispensável caipirinha e acompanhada de alguns chopes?). Eu imagino que o meu equívoco ao ler a notícia deva-se ao fato de que “Andinho”[1] semanas atrás foi transferido ao regime disciplinar diferenciado; nesta semana, noticiou-se que será requerida a transferência de “Marcola” para o mesmo regime, pois se descobriu que estava programada uma fuga desse “chefão” do PCC. Porém, acredito que Freud daria outra explicação para o meu ato falho.
      O equívoco em questão me fez meditar sobre dois temas: o RDD – regime disciplinar diferenciado e a transferência a regime mais severo do que o fixado na sentença. Sabe-se que são três os regime de cumprimento de pena privativa de liberdade (reclusão e detenção): aberto, semiaberto e fechado. Cumprindo pena num deles, o condenado pode ser promovido ao regime mais brando, por exemplo, do fechado para o semiaberto – o fenômeno chama-se “progressão”. Identicamente, cumprindo pena num regime mais brando, pode ser transferido a um mais severo, por exemplo, do semiaberto para o fechado – o fenômeno chama-se “regressão”. Porém, há um acórdão do Supremo Tribunal Federal, num pedido de “habeas corpus” de que foi relator o ministro (hoje aposentado) Eros Grau, proíbe que o condenado seja transferido a regime mais severo do que o fixado na sentença.
      De outro lado, o RDD, regime disciplinar diferenciado, e isto eu digo sem nenhum orgulho, foi criado no estado de São Paulo quando Nagashi Furukawa era secretário da Administração Penitenciária. Aliás, não foi criado apenas ele: foi criado também o RDE – regime disciplinar especial. Ambos nasceram de resoluções, o que contraria a lei, porque somente a União pode legislar nessa matéria, mas em vão foi a luta que se fez para que eles fossem declarados ilegais e provocadores de constrangimentos. No ano de 2003, pela Lei n° 10.792, de 1° de dezembro, o RDD alçou-se à condição de lei federal, passando a fazer parte da lei de execução penal, mais especificamente no artigo 52. Para que um condenado seja transferido ao RDD é necessário que ele preencha os requisitos que estão no “caput” do artigo, bem como em seu parágrafo 2°. Algumas características do RDD; a) cela individual; b) permanência na cela por 22 horas diárias; c) visita de apenas 2 pessoas (sem contar as crianças) por semana, por 2 horas. O seu prazo é de 360 dias, “sem prejuízo de repetição da sanção por nova falta grave de mesma espécie, até o limite de um sexto da pena aplicada” (inciso I).
      Segundo o entendimento do STF, Delúbio não poderá ser transferido ao regime fechado, já que o semiaberto foi o fixado no acórdão (agora reafirmado pela absolvição quanto ao crime de quadrilha). Porém, ele poderá ser transferido ao regime disciplinar diferenciado, desde, claro, que preencha os requisitos a tanto.
      Quanto ao meu equívoco, Freud diria que foi ocasionado pelo desejo que eu tenho de que o “mensaleiro” seja ingressado no RDD. Será?




[1] . Para os que ainda não sabem, atuei na defesa de “Andinho”, como Procurador do Estado, no processo n° 540/02, em que era apurada a morte do prefeito Toninho. “Andinho” era acusado de participação no crime, mas foi impronunciado. O Ministério Público interpôs recurso, mas o Tribunal de Justiça manteve a impronúncia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …