Pular para o conteúdo principal

Doloso ou culposo?




      No estudo do crime e de seus componentes (elementos, para alguns; características, para outros), a doutrina mundial tem constantemente evoluído; ou se aperfeiçoado, se preferirem. Demonstração desse contínuo desenvolvimento é o estudo sobre o dolo e a culpa. Nas priscas eras, para que se punisse – e com castigos atrozes – alguém que houvesse praticado um resultado danoso bastava o aspecto objetivo da ocorrência: não se inquiria se aquela pessoa tinha ou não querido a prática do ato.
      Vagarosamente, foi se exigindo para a imposição de punição que o autor do fato o tivesse querido – ou pelo menos não tivesse agido de forma tão estouvada que o tenha praticado sem querer. Nascia assim o dolo e a culpa[1], inicialmente como a própria culpabilidade, depois como seus componentes; posteriormente, com o advento das ideias de Hans Welzel, passando a fazer parte da própria ação e não mais da culpabilidade. Há teorias que explicam o dolo, como teorias que explicam a culpa.
      No Direito Penal brasileiro o dolo e a culpa estão no artigo 18, incisos I e II; o inciso I descreve o que é o crime doloso: “quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo”; o II, a culpa: ‘quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia”. Na primeira parte do inciso I está o dolo direto (“quis o resultado”); na segunda, o dolo eventual (“assumiu o risco de produzi-lo”). No II, as modalidades de culpa.
      O dolo direto é de fácil entendimento: a vontade do sujeito ativo compreende escolher os meios, utiliza-los e alcançar o resultado. A quer matar B: escolhe o meio (faca), encontra-o e desfere as facadas, ocasionando a sua morte. No dolo eventual a situação é um pouco diversa e o exemplo dos manuais, no qual farei uma pequena atualização, é o seguinte: A está caçando; vê o animal que pretende abater; ao mirar, vê que na linha de tiro está um sem-terra[2]; se não acertar o animal poderá matar o sem-terra; “dá de ombros”, e em total desprezo[3] pela vida daquela pessoa, atira, assumindo o risco de produzir o resultado – no caso, a morte.    Prima-irmã (por assim dizer) do dolo eventual é a culpa consciente, em que, no mesmo exemplo, o caçador, confiando em sua habilidade como atirador, firmemente crê que o projétil atingirá o animal e nunca a pessoa. De qualquer forma, é de se ressaltar que o caçador não estava no campo para matar um sem-terra e sim para abater um animal.
      As pessoas leigas sempre se fazem uma pergunta: como se provará se é dolo eventual ou culpa consciente? Embora essa questão não diga respeito ao Direito Penal e sim ao Direito Processual Penal, a resposta é simplista: por todos os meios de prova em Direito admitidas (modernamente: lícitas). Ninguém melhor do que o sujeito ativo (no processo, réu) para dizer o que pretendia, porém há alguns entraves: ele pode exercer o direito de permanecer em silêncio ou mesmo mentir (Nelson Hungria disse, há mais de 50 anos, que o “direito de defesa compreende o direito de mentir”). Não há como “entrar” na mente do agente para pesquisar o que ele pretendia. Ademais, ainda hoje se disputa em que consiste o interrogatório: meio de prova ou direito de defesa. Abandonando estas questões, os dados externos ao sujeito ativo ajudarão a “decifrar” a sua intenção: fotos, filmagens, testemunhos, perícias, frases que ele disse, tudo o que puder ser compreendido no conceito de prova.
      No caso da morte do cinegrafista, em que a mídia noticia que ambos os “black blocs” serão indiciados por homicídio doloso (com dolo eventual), a meu ver o fato preenche mais as características de um crime culposo e nem com culpa consciente e sim inconsciente: o artefato mortal foi aceso e jogado no chão e não no meio da multidão. Era previsível (conteúdo da culpa inconsciente e da consciente) que ele pudesse atingir alguém? Sim, claro, pois ali havia um aglomerado de pessoas. Se atingisse, mataria a pessoa? Dificilmente. Ao acendê-lo e pô-lo no chão, o sujeito ativo agiu com total imprudência, pois, como já dito, ele poderia atingir alguém, porém ele nunca assumiu o risco de que alguém fosse atingido e a morte fosse o resultado dessa conduta. Tal qual no clássico exemplo da doutrina penal brasileira, os rapazes não estavam ali para matar o cinegrafista, nem assumiram o risco de que ele fosse atingido pelo petardo e morresse - eles apenas foram tremendamente imprudentes e ocasionaram a sua morte.
      Como o sistema precisa de alguns “eleitos” para punir e servir de lição aos demais e para atingir o seu objetivo vale até deturpar a aplicação da lei penal, o cardápio está pronto: os dois deverão ser punidos como autores (no sentido amplo) de um dos mais graves crimes, o homicídio (e de quebra, pelo de explosão em concurso material – outro absurdo do qual não falarei agora).
      Que ninguém – pelo menos, as pessoas civilizadas – aceita a conduta desses “inocentes úteis” (porque são recrutados entre a população pobre para servir de "massa de manobra" de partidos políticos e organizações outras) travestidos de “black blocs” (faltou originalidade até nisso – copiaram do exterior) tupiniquins é uma certeza; mas daí a enxergar um crime doloso na morte do cinegrafista vai uma distância infinita.




[1] . O tema é extensíssimo e não cabe ser abordado num texto tão simples quanto este.
[2] . Na doutrina, é um lavrador.
[3] . Dizendo: “que se dane”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …