Pular para o conteúdo principal

Gilmar Mendes, Suplicy e o pagamento da multa



  
      Os “mensaleiros” a quem foram impostas pesadas penas pecuniárias – multas – na Ação Penal 470 – “mensalão” -,  criaram “sites” (lógico que por interpostas pessoas), baseados no Exterior, para o recebimento de contribuições a fim de que o débito fosse saldado, sem que saísse um centavos de seus bolsos. Essa atitude gerou estranheza – ao que se sabe, nunca dantes ocorrera tal no Direito brasileiro -, e levou algumas autoridades a questionar a lisura de tal procedimento, falando algumas em “lavagem de dinheiro”.
      O senador petista Eduardo Suplicy abespinhou-se e enviou correspondência a uma dessas autoridades, o ministro do STF, que ativamente participou do julgamento da ação penal, Gilmar Mendes, questionando-o acerca de suas afirmações. O ministro prontamente respondeu e, de forma irônica, teceu alguns comentários sobre a “cobrança” suplicyana. Numa das passagens, a resposta do ministro faz alusão a um dos princípios mais caros ao Direito Penal, o princípio da personalidade da responsabilidade criminal, que deixou, em 1988, simplesmente de ser princípio e passou a ser lei, na estarua de lei constitucional.
      O artigo 5°, inciso XLV, da Constituição da República Federativa do Brasil[1] alberga o princípio e tem o seguinte teor: “nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de bens, ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido”. Não se pode, aqui, deixar de registrar que o artigo 5° ocupa o Título II – “dos direitos e garantias fundamentais” -, Capítulo I – “dos direitos e deveres individuais e coletivos” - da “lei maior”. Pelo disposto na primeira parte do artigo, fica proibido que a pena ultrapasse a pessoa do condenado, vale dizer, da pessoa (humana) que praticou uma conduta que se amolda a um tipo penal – um crime -, e que, em virtude dessa conduta, foi processada, sendo a ela garantida a ampla defesa e o contraditório, culminando com a sua condenação com trânsito em julgado[2].
      Alguns crimes têm cominada somente a pena privativa de liberdade (reclusão, detenção): homicídio, aborto; outros, pena privativa de liberdade cumulativamente com a pena pecuniária (multa): furto, roubo, extorsão; outros ainda, pena pecuniária alternativamente à pena privativa de liberdade (calúnia, difamação). Excepcionalmente, a pena privativa de liberdade pode (o Supremo Tribunal Federal não tem uma posição firme sobre o tema) ser executada antes do trânsito em julgado da sentença condenatória: são aqueles casos em que o acusado esteve preso durante o processo (ainda que se afirme que não se trata de execução antecipada, induvidoso é que ele poderá valer-se da detração – artigo 42 do Código Penal).
      Fica mais fácil entender o princípio constitucional em questão olhando-se para a História do Brasil, em que Joaquim José da Silva Xavier, o alferes “Tiradentes”, foi condenado e os seus descendentes declarados infames até determinada geração. Aliás, durante um período da História era hábito (costume?) as legislações preverem que os descendentes do condenado fossem “amaldiçoados” até uma determinada geração, por exemplo, até a terceira geração. Embora não tivessem sequer nascido e, portanto, não cometido nenhum delito, já eram atingidos por uma pena referente a um crime cometido por outra pessoa, um antepassado. Ainda hoje alguns países desrespeitam esse princípio: em caso de terrorismo, a casa que habitava o acusado é destruída, prejudicando os seus parentes que se veem desprovidos de teto.
      Uma definição de pena, aqui parcialmente retratada, dizia que ela "era o sofrimento imposto pelo Estado...". Outra pessoa pagar a multa de um condenado não é uma atitude anormal[3], pois o que o dispositivo da carta magna proíbe é que outra pessoa seja obrigada a pagar a multa. Porém, pessoas saldando o débito representado pela multa fazem com os "mensaleiros" não sofram ("no bolso"), desvirtuando uma das finalidades da pena; ademais, o que é anormal é a pressa com que isso tem sido feito, sem que se saiba de onde o “ervanário”[4] procede.



[1] . Nos dizeres do presidente da Assembleia Constituinte, Ulysses Guimarães, “constituição-cidadã”.
[2] . Artigo 5°, inciso LVII: “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.
[3] . Quando atuava na Assistência Judiciária, defendendo criminalmente pessoas pobres, vi incontáveis vezes parentes, quiçá vizinhos, fazendo “vaquinha” para o pagamento da pena de multa.
[4] . Expressão de Elio Gaspari.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …