Pular para o conteúdo principal

Ousadia dos ladrões



 
      Postei, dias atrás, neste espaço, um texto acerca de algumas ações – e eram poucas até então – que a mídia convencionou chamar de “linchamento”[1]; porém, houve um “boom” nessas ocorrências. A “praga” do momento – os tais “cientistas sociais”-  escreveram incontáveis textos tentando interpretar o significado dessas ações, mas, a meu ver, como escrevi alhures (como gostava de dizer Nelson Hungria), várias são as causas de tais “justiçamentos” (algumas pessoas são pagas para cometê-los).
      Uma das causas seguramente é a ousadia dos criminosos, especialmente aqueles que atacam o patrimônio alheio, nas suas diversas modalidades. A razão dessa ousadia, uma delas ao menos, é a ineficiência da repressão criminal. Segundo o artigo 59 do Código Penal, ao fixar a pena na primeira fase[2], em que ele analisa as circunstâncias judiciais, deve levar em conta a quantidade que seja necessária e suficiente “para reprovação e prevenção do crime”. Este ato judicial, todavia, é o penúltimo que o Estado pratica: antes, um órgão do Poder Executivo (polícia) deve ter investigado no afã de descobrir quem foi o autor do ilícito – e é aqui que reside a maior ineficácia. Uma das razões desta ausência de eficácia é o descaso governamental – afinal, os nossos governantes estão mais preocupados em fazer política[3] (no mau sentido da palavra) do que aplicar recursos na educação, saúde e segurança pública, as três maiores aspirações de todos os brasileiros.
      Vou dar dois exemplos da ousadia dos ladrões: no dia 19 de fevereiro, por volta de 13 horas e 40 minutos fui estacionar meu carro na avenida Aquidabã, uma quadra antes do prédio da Justiça Federal; ao lado direito da vaga (ali se estaciona em diagonal) havia um carro preto, Celta ou Corsa, não sei ao certo. Quando estava quase estacionado, surgiu uma pessoa vestindo boné, camiseta de time de futebol (e não era do Corinthians...) e bermuda, o que me fez logo pensar que se tratava de um vendedor de talão de zona azul. Não era: era um ladrão. Debaixo das minhas vistas, ele quebrou o vidro direito do Celta e enfiou a mão dentro do veículo. Imediatamente, indignado, sem desligar o motor, desci e fui em sua direção. Ele “se tocou” e saiu apressado, ao que eu gritei o tradicional “pega ladrão”, o que fez com que ele saísse em desabalada carreira.
      Menos de 12 horas depois, por volta de 1 hora e 15 minutos do dia seguinte, quando quase pegava no sono, ouvi um alarme de carro disparar. Corri para a sacada e vi um ladrão (vestia boné, bermuda e moletom, embora não estivesse frio [talvez para ocultar uma arma]) que havia acabado de abrir um carro estacionado na rua Presciliana Soares quase esquina da Coronel Quirino. Embora o alarme estivesse tocando, ele estava com meio corpo no interior do veículo, talvez procurando algo de valor, saindo em seguida calmamente. Detalhe da ousadia: o local é bem iluminado e o “locus delicti” dista uns 30 metros de duas portarias de prédios, o em que eu moro e o vizinho. Não me contive e grite “pega ladrão”. Ele olhou para cima e continuou andando calmamente – não se abalou.
      O que os leva a atuar com tanta ousadia é a quase certeza de que nunca serão alcançados pela “longa manus” do sistema punitivo, porque, principalmente, eles não tiveram educação para respeitar as leis (não somente as penais): depois de assistir a esses dois atos atrevidos, pensei no meu tempo de criança e adolescente na minha terra natal – embora não estivéssemos fazendo nada errado, a simples menção à palavra “polícia” nos fazia tremer de respeito.




[1] . Pelo menos parcialmente a mídia tem razão, pois, ao contrário do que muitos pensam, o que caracteriza o linchamento não é o número de pessoas – uma turba – “justiçando” alguém, mas sim o aspecto sumário do “julgamento” – se é que assim metaforicamente se pode chamar.
[2] . O sistema de aplicação da pena é trifásico: nas outras duas fases o magistrado analisa as circunstâncias (agravantes e atenuantes) legais (ou obrigatórias) e na terceira as causas de aumento e diminuição.
[3] . Por exemplo, o número de ministérios: 39. A Suécia tem 11.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …