Pular para o conteúdo principal

O lobo e o cordeiro




          A carta enviada à Secretaria da Justiça tinha como remetente um preso da Penitenciária I de Hortolândia e pedia que fosse revisto o processo em que fora condenado. Essa atividade era e ainda é comum: o preso envia carta a alguma repartição ou autoridade reclamando da sua condenação e pede alguma providência. Como ele cumpria pena nesta região, a carta foi encaminhada à Assistência Judiciária de Campinas. Coube a mim analisá-la e adotar as providências que fossem cabíveis.
          Pelas buscas, constatei que a sentença condenatória fora proferida em processo da 2ª Vara Criminal. A pena 2 anos e 8 meses de reclusão pela prática de um crime de roubo agravado pelo concurso de pessoas[1] tentado. Fui ler o processo.
          Ele e outra pessoa abordaram a vítima e, mediante ameaça, despojaram-na de alguns bens irrisórios. Quando deixavam o local, foram surpreendidos por policiais militares e ele foi preso; o outro fugiu. Levado à delegacia, foi lavrado o auto de prisão em flagrante delito e ele foi encarcerado.
          Durante o processo, na audiência em que foram ouvidas a vítima e as testemunhas de acusação, ele comportou-se de forma completamente inadequada, tendo sido necessário que o Juiz de Direito o advertisse, registrando tudo isso na decisão condenatória. Segundo a expressão constante na sentença, ele havia “arrepiado” na audiência, ameaçando a vítima e as testemunhas. Foi necessário que, além de advertido, ele fosse retirado da sala.
          Cabia uma revisão (criminal) ao Tribunal de Alçada Criminal pelo menos para que a pena fosse diminuída[2] e eu elaborei-a, tendo ido depois ao presídio colher a assinatura do preso. Aguardando no parlatório, imaginei que fosse apresentar-se perante mim um lobo, aquele mesmo lobo feroz que havia “arrepiado” na audiência. Materializou-se na minha frente um cordeiro, uniformizado, que a todas perguntas que eu fazia respondia acompanhada da expressão “senhor”: “Sim, senhor”; “não, senhor”. O cárcere já havia dominado aquele lobo, tornando-o um cordeiro.
          O pior é que, conforme Augusto Thompson já registrou em obra antiga, muitas vezes a pessoa age como cordeiro apenas enquanto está cumprindo a pena privativa de liberdade, sendo, portanto, aquilo apenas uma pele: o lobo assumirá a sua forma anterior tão logo alcance a liberdade.
          Ele assinou o pedido de revisão, encaminhei-o ao Tribunal e, atendendo ao meu requerimento, a pena foi diminuída: ele deixou o cárcere antes do que imaginava. Não sei se a forma antiga foi retomada.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)


[1] . Artigo 157, § 2°, inciso II, do Código Penal. A pena cominada ao roubo simples é de 4 a 10 anos de reclusão, mais multa; se houver uma causa de aumento, como, por exemplo, o concurso de pessoas, a pena é aumentada entre 1/3 até ½.
[2] . A diminuição no caso de tentativa é entre 1/3 e 2/3 e o juiz havia diminuído de metade. Cabia a redução de 2/3, pois o “iter criminis” percorrido fora muito pequeno.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto