Pular para o conteúdo principal

Famoso internacionalmente




          Ele era efetivamente uma pessoa conhecida como profissional; não sei se internacionalmente, mas dentro do território nacional, certamente. Ministrava aulas numa universidade estadual em Campinas.
          Cansados da sua ausência habitual às aulas, os seus alunos – ou os alunos do curso – fizeram algo que naquela época era comum naquela universidade: panfletaram. Nos panfletos ele era chamado de, entre outros epítetos, “professor fantasma”, o que configurava o crime de injúria, um dos crimes contra a honra. O professor jurava por todos os santos que não era “fantasma” e a sua ausência no “campus” era devida ao fato de que os alunos deveriam comparecer no local em que a sua organização ensaiava a título de aula prática. Os papéis eram apócrifos obviamente; porém, instaurado o inquérito policial no distrito policial de Barão Geraldo, foram descobertos os autores, porém não indiciados.
          Os autos foram remetidos a juízo, mais especificamente à 3ª Vara Criminal e o Promotor de Justiça que ali atuava, aplicando o que dispõe a lei 9.099/95, requereu a designação de data de audiência em que seria feita a proposta de aplicação imediata de pena aos detratores, geralmente consistente na doação de uma cesta básica – ou algumas – a uma instituição de caridade. Essa lei instituiu o Juizado Especial Criminal – JECrim – que se aplica às infrações penais de menor potencial ofensivo. Porém, o Promotor de Justiça, na falta de melhor expressão, colocou em sua manifestação que àquele inquérito era aplicada citada lei por se tratar de “infrações penais de menor importância”. Foi o quanto bastou: a vítima ficou indignada, dizendo que a honra dele não de menor importância, pelo contrário. Ele era uma pessoa internacionalmente conhecida, respeitada no exterior e outras baboseiras.
          Foi difícil convencê-lo de que o critério utilizado para classificar a infração penal de menor potencial ofensivo (ou, como disse o Promotor, “de menor importância”) era somente a quantidade de pena prevista e nunca a pessoa da vítima. Pensei ter conseguido.
          Os detratores foram chamados a juízo e recusaram a proposta. Voltaram os autos ao Promotor de Justiça, que, então, requereu o arquivamento. A lei diz o contrário: recebendo os autos e não sendo a hipótese de arquivamento, o Ministério Público fará a proposta de imposição imediata de pena.
          Isso fez com a vítima ficasse furiosa e contratasse um advogado criminalista “medalhão” de São Paulo, pensando que, com isso, conseguiria o desarquivamento do processo e a punição dos autores do escrito ofensivo. Gastou dinheiro com honorários inutilmente: os autos permaneceram em arquivo.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …