Pular para o conteúdo principal

Famoso internacionalmente




          Ele era efetivamente uma pessoa conhecida como profissional; não sei se internacionalmente, mas dentro do território nacional, certamente. Ministrava aulas numa universidade estadual em Campinas.
          Cansados da sua ausência habitual às aulas, os seus alunos – ou os alunos do curso – fizeram algo que naquela época era comum naquela universidade: panfletaram. Nos panfletos ele era chamado de, entre outros epítetos, “professor fantasma”, o que configurava o crime de injúria, um dos crimes contra a honra. O professor jurava por todos os santos que não era “fantasma” e a sua ausência no “campus” era devida ao fato de que os alunos deveriam comparecer no local em que a sua organização ensaiava a título de aula prática. Os papéis eram apócrifos obviamente; porém, instaurado o inquérito policial no distrito policial de Barão Geraldo, foram descobertos os autores, porém não indiciados.
          Os autos foram remetidos a juízo, mais especificamente à 3ª Vara Criminal e o Promotor de Justiça que ali atuava, aplicando o que dispõe a lei 9.099/95, requereu a designação de data de audiência em que seria feita a proposta de aplicação imediata de pena aos detratores, geralmente consistente na doação de uma cesta básica – ou algumas – a uma instituição de caridade. Essa lei instituiu o Juizado Especial Criminal – JECrim – que se aplica às infrações penais de menor potencial ofensivo. Porém, o Promotor de Justiça, na falta de melhor expressão, colocou em sua manifestação que àquele inquérito era aplicada citada lei por se tratar de “infrações penais de menor importância”. Foi o quanto bastou: a vítima ficou indignada, dizendo que a honra dele não de menor importância, pelo contrário. Ele era uma pessoa internacionalmente conhecida, respeitada no exterior e outras baboseiras.
          Foi difícil convencê-lo de que o critério utilizado para classificar a infração penal de menor potencial ofensivo (ou, como disse o Promotor, “de menor importância”) era somente a quantidade de pena prevista e nunca a pessoa da vítima. Pensei ter conseguido.
          Os detratores foram chamados a juízo e recusaram a proposta. Voltaram os autos ao Promotor de Justiça, que, então, requereu o arquivamento. A lei diz o contrário: recebendo os autos e não sendo a hipótese de arquivamento, o Ministério Público fará a proposta de imposição imediata de pena.
          Isso fez com a vítima ficasse furiosa e contratasse um advogado criminalista “medalhão” de São Paulo, pensando que, com isso, conseguiria o desarquivamento do processo e a punição dos autores do escrito ofensivo. Gastou dinheiro com honorários inutilmente: os autos permaneceram em arquivo.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …