Pular para o conteúdo principal

O Promotor de Justiça e a tentativa de homicídio culposo




 
  
    Eu havia sido seu professor de Direito Penal no terceiro ano da faculdade, época em que as aulas, seguindo o programa de curso, versam somente sobre a Parte Especial do Código Penal, aquela que descreve os crimes (“em espécie”), tais como o homicídio, o furto, o estupro e a corrupção passiva, e, também, em algumas faculdades, sobre as leis específicas (drogas, meio ambiente, transplante de órgãos, etc).
      Depois de ter colado grau, ele prestou concurso público para o cargo de Promotor de Justiça em outra unidade da federação e logrou aprovação; permaneceu nesse cargo por algum tempo e, enquanto isso, submeteu-se ao concurso público de provas e títulos para o mesmo cargo, porém no estado de São Paulo, obtendo aprovação. Depois de “perambular” por algumas comarcas pequenas, veio a dar com os costados em Campinas, exatamente na Vara do Júri que era aquela em que eu atuava na defesa dos réus “carentes”, aqueles que não podiam arcar com as despesas de honorários advocatícios.
      Digladiamo-nos num julgamento em plenário em que a vítima fora morta com diversas facadas numa noite chuvosa numa rua de uma das favelas de Campinas e o resultado foi uma condenação à pena mínima prevista ao crime pelo qual o réu era julgado – homicídio qualificado -: 12 anos.
      Semanas após, encontramo-nos novamente no plenário do júri e desta feita tratava-se do crime de homicídio simples, cuja pena cominada é de 6 a 20 anos de reclusão, na forma tentada, ou seja, a vítima não morrera, hipótese em que, se condenado o réu, a pena deverá ser diminuída entre 1/3 e 2/3. A prova contra o acusado era frágil; ademais, ele atirara na vítima porque esta invadira o seu barraco. As demais circunstâncias, tal como o porquê da invasão, do crime não ficaram bem esclarecidas.
      O Promotor falou pelo seu tempo – na época, duas horas -, eu falei pelo meu tempo, não utilizando porém as duas horas. Ele pediu réplica, em que falaria por mais uma hora, e, para meu espanto, pediu que os jurados desclassificassem o crime para homicídio culposo tentado, uma acusação bem menos grave, e, para enfatizar a sua argumentação, apontou para mim e disse que havia aprendido aquilo “com o meu professor”. Quase desacordei, e não escapei de uma taquicardia, nem de tremores nas mãos ante uma afirmativa tão absurda.
      Em primeiro lugar, porque esses temas – crime culposo e crime tentado – fazem parte do programa das faculdades de direito no primeiro ano, quiçá no segundo, todavia nunca no terceiro, em que são estudados os crimes, e tanto no primeiro, quanto no segundo anos ele não fora meu aluno – o professor fora outro (que, certamente, não lhe ensinaria tal asneira). Em segundo lugar, porque desde longa data sabe-se em Direito Penal que o crime culposo não admite a tentativa, apenas o doloso, em que o “iter criminis” se desdobra em atos de cogitação, atos de preparação e atos de execução, que podem desaguar no crime consumado; se o sujeito ativo da infração for impedido de prosseguir na execução e alcançar o resultado, tem-se a figura da tentativa (ou crime tentado, como preferem muitos).
      A título de maldade e fazendo de conta que ele fora meu aluno, tive uma vontade imensa, quase incontrolável de dizer que ele jamais teria aprendido aquilo comigo, pois jamais eu ensinaria algo tão equivocado. Além do mais, não fora meu aluno, como já dito, nos dois primeiros anos. Porém, para não criar celeuma e talvez prejudicar a pessoa que eu defendia, refreei a minha vontade e quase concordei com ele, o que acabou beneficiando o acusado, que foi condenado por um crime menos grave.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …