Pular para o conteúdo principal

Quitutes da Rosa e a Confeitaria Vienense




      Na cidade em que nasci havia uma confeitaria chiquérrima, com doces maravilhosos e gostosos, chamada “Confeitaria Vienense”. Naquela época, creio, eu não sabia da existência de uma cidade chamada Viena, nem onde ficava. O que importava eram os doces – só de olhar já dava uma vontade louca de comer. Depois de adentrar a terceira idade, fui conhecer Viena, já sabendo algo de sua história, Fui, claro, comer um pedaço da famosíssima sachertorte no Hotel Sacher. A iguaria é apetitosa. Depois, perambulando pelas ruas do centro de Viena deparei-me com a Confeitaria Demel: um local lindo, com doces maravilhosos, mas o que chamou mesmo a atenção foi que o local em que os doces são confeccionados é cercado por vidros, de forma que os consumidores conseguem ver o trabalho dos confeiteiros. Nem preciso dizer que a confeitaria é enorme.
      Fui à cidade de Poços de Caldas para atuar na defesa de um acusado perante o tribunal do júri daquela comarca mineira. Infelizmente, o julgamento não ocorreu por motivos que não vêm ao caso, porém algumas pessoas amigas do meu cliente deram algumas dicas – que engordam, óbvio – sobre a cidade. A primeira foi sobre o Mercado Municipal – distante do fórum duas quadras -, especialmente sobre o box 9, em que a variedade de queijos e doces é inimaginável. Goiabada cascão, sem cascão, doce de leite (mineiro) puro, com coco, com nozes, enfim, uma variedade que só de pensar engorda.
      Outra dica era sobre “Quitutes da Rosa”, bem distante do centro da cidade. O estabelecimento é modesto, extremamente limpo e, assemelhando-se à Confeitaria Demel de Viena, o local em que são preparados os doces e salgados é envidraçado, permitindo ao consumidor assistir à produção das guloseimas. Produtos também que só de olhar engorda alguns gramas. Essa, por assim dizer, “descoberta”, fez-me voltar a minha infância e adolescência, à Confeitaria Vienense, bem como me fez voltar à Confeitaria Demel, esta tipicamente vienense, mas me fez meditar especialmente sobre o seguinte: ideias de primeiro mundo podem facilmente ser executadas em nosso país: basta que se tenha boa vontade.
      Um local em que os consumidores podem assistir à produção daquilo que vão adquirir e consumir é o ápice do respeito ao direito dessas pessoas. Nada de placas ao estilo “pode visitar a nossa cozinha”, convite que nunca vi alguém aceitar, inclusive eu, mas simplesmente a transparência. Não deve encarecer o produto.
(Confeitaria Demel, em Viena)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …