Pular para o conteúdo principal

O juiz de paz da roça e a anistia




      Martins Pena nasceu (como Luis Carlos) no Rio de Janeiro aos 5 de novembro de 1815 e faleceu em Lisboa aos 7 de dezembro de 1848: tinha (somente) 33 anos de idade. Foi diplomata e dramaturgo e nesta condição é considerado o introdutor da comédia de costumes no Brasil; alguns o apelidaram de “Molière”[1] brasileiro. A sua peça mais conhecida, já que foi gravada como minissérie televisiva, é “O noviço”. Mas a mais engraçada, sem dúvida, é “O juiz de paz da roça”, comédia em um ato.
      A obra, satírica ao extremo, foi escrita em 1837 – quando ele tinha 22 anos – e retrata a vida de um juiz de paz preguiçoso e corrupto. Num dos episódios resolvidos pelo juiz, há uma disputa entre dois vizinhos acerca da propriedade de um leitão: o mamífero quadrúpede havia invadido a horta do vizinho e ali comido alguns nabos e somente pela invasão o dono da horta quis apropriar-se do bicho. Ambos comparecem perante o juiz e este os aconselha a, para encerrar a querela, darem o animal a alguma pessoa, acrescentando: “não digo com isso que mo deem”. Sugestão subliminar entendida, ambos concordam em presentear o juiz com o “invasor”.
      Em outro “julgamento”, comparece perante o juiz uma pessoa que narra possuir um sítio “comprado com o dinheiro que minha mulher ganhou nas costuras e outras coisas mais”. Porém, um seu vizinho, “da raça do Judas, diz que metade do sítio é dele”. Requer ao juiz que vá “assistir à marcação do sítio”. O juiz responde que não pode ir “por estar muito atravancado com um roçado”, dizendo ademais ao demandante que requeira ao seu suplente. O requerente argumenta que o suplente do juiz “também está ocupado com uma plantação”. O juiz se enfurece e ameaça manda-lo para a cadeia. O pobre requerente responde que o juiz não pode prendê-lo “à toa: a Constituição não manda”. Mais enfurecido, o juiz assim se manifesta:
      - A Constituição!... Está bem! Eu, Juiz de paz, hei por bem derrogar a Constituição. Senhor Escrivão, tome termo que a Constituição está derrogada, e mande-me prender este homem”
      Ante a possibilidade de que ameaça se concretize, o pobre litigante sai do recinto em desabalada carreira, escapando da prisão, a seu ver, injusta.
      Ao ver ações criminais propostas contra militares que – alguns confessadamente – participaram de sequestros, tortura, homicídios, e tendo em vista que houve uma lei anistiando-os e que essa lei foi questionada numa Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (n° 153), proposta pela Ordem dos Advogados do Brasil, cujo julgamento se deu (obviamente) pelo plenário do Supremo Tribunal Federal, julgando, por maioria de votos, improcedente a ação, sempre lembro dessa comédia em um ato, pois parece que os subscritores das ações estão ignorando – ou tentando derrogar – a Constituição da República Federativa do Brasil no ponto em que ela dá soberania à coisa julgada (tanto quanto ao direito adquirido e ao ato jurídico perfeito – este também poderia ser invocado em favor dos anistiados), que, na dicção da lei maior, deve ser respeitada pela lei (posterior): são imutáveis (artigo 5°, inciso XXXVI). Mas existem muitos clones do juiz de paz da roça.




[1] . Moliére – Jean Baptiste Poquelin, nascido em Paris aos 15 de janeiro de 1622 e morto, também em Paris, aos 17 de fevereiro de 1673 – é considerado um dos mestres da comédia satírica.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …