Pular para o conteúdo principal

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa


 
      Repetindo um episódio que já aconteceu em outros países e em outros tempos[1], a multimídia Ana Hickmann viu-se envolvida num furacão, que quase lhe custou a vida: um fã que adrede hospedara-se no mesmo hotel em que ela ficaria, em Belo Horizonte, invadiu o seu quarto armado com um revólver, efetuando disparos em sua direção. Foi dominado o agressor pelo cunhado de Ana Hickmann, que lhe arrebatou a arma e com ela desferiu três tiros contra ele.
      Todos respiraram aliviados com o desfecho desfavorável ao agressor e, ao finalizar o inquérito policial, o Delegado de Polícia relatou propondo o seu arquivamento. Dessa opinião discordou[2] o membro do Ministério Público que, ademais, ofereceu denúncia contra o cunhado da estrela pelo crime de homicídio. Levantaram-se vozes indignadas contra essa posição do Promotor de Justiça, em geral motivadas pelo desconhecimento do funcionamento do sistema punitivo.
      Algumas breves explicações mostrarão que, denunciando o matador do agressor, o “dominus litis” [3] agiu razoavelmente, nada mais fazendo do que cumprir a sua obrigação: é que à primeira vista, teria o homicida agido com excesso na legítima defesa, já que esta causa de exclusão da ilicitude[4] está bem delimitada no Código Penal. Com efeito, estabelece o artigo 25 do estatuto punitivo que “entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”. Nele estão todos os requisitos para que seja reconhecida a legítima defesa, afastando-se a punição daquele que praticou o fato.
      No caso em análise, Ana Hickmann sofria a agressão à sua vida (“a direito seu”), porém ela não se defendeu; quem o fez foi o seu cunhado (“direito de outrem”, também chamada legítima defesa de terceiro). Ao conseguir dominar o agressor e tomar-lhe a arma que utilizava no ataque, pode-se entender que a agressão à vida de Ana já havia cessado: não era atual nem iminente; ela já havia sido repelida, sendo, então, passada. Não obstante ter feito cessar a agressão, o seu cunhado iniciou outra, matando o atacante e com três tiros (não vou analisar aqui onde os tiros atingiram o atacante). Estão presentes os requisitos do crime de homicídio e não estão tão visíveis os da legítima defesa, já que, como dito, o agressor já havia sido dominado. Ademais, é provável que nem mesmo fossem necessários três disparos, que se mostraram mortais: talvez somente um e apenas para ferir fosse suficiente para fazer cessar de vez aquela agressão. Talvez nenhum disparo fosse necessário.
      Embora tenha sido judicialmente acusado, há a possibilidade de que o magistrado a quem foi encaminhada a denúncia a rejeite; ou se recebê-la, que mais tarde ele absolva sumariamente o cunhado da estrela; ou ainda: que ao ser julgado pelo Tribunal do Júri, órgão do Poder Judiciário competente para fazê-lo, seja absolvido por ter agido em legítima defesa.
      Com estas breves explicações, talvez as pessoas consigam entender o que motivou o Promotor de Justiça a denunciar o cunhado.
     


[1] . O mais rumoroso de todos foi a morte de John Lennon, ocorrida defronte ao prédio em que ele morava, em Manhattan, Nova York, no dia 8 de dezembro de 1980.
[2] . Se o Promotor de Justiça tivesse concordado com o pedido de arquivamento, ele o requereria ao Juiz de Direito, que o acolheria ou não; se o acolhesse, os autos do inquérito policial seriam arquivados; se não o acolhesse, encaminharia os autos ao Procurador-Geral de Justiça, que teria duas opções: insistiria no arquivamento, a que estaria obrigado o Juiz, ou então denunciaria o indiciado, podendo, ainda, designar outro membro do Ministério Público para fazê-lo.
[3] . Literalmente, “dono da lide”, dono da ação penal, titular do direito de acusar.
[4] . Na legítima defesa fica afastada a ilicitude do fato.

Comentários

  1. Há que se considerar que o acusado agiu sob o império da Violenta Emoção pois o fato criminoso revestiu-se de momentos em que a razão cedeu seu lugar a emoção e o que para quem está de fora desse cenário de horror parece excesso... pode não ser para quem agia para defender sua vida como a de terceiros...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. A minha análise restringiu-se apenas ao aspecto do afastamento da ilicitude (ou da antijuridicidade, como dizem alguns). Ademais, quem deve pronunciar-se sobre o excesso é quem aplica a lei e não quem pratica o fato.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …