Pular para o conteúdo principal

Hoax



 
            Conforme o site “significados.com.br”, “Hoax é uma palavra em inglês que significa embuste ou farsa. Um hoax é uma mentira elaborada que tem como objetivo enganar pessoas. A internet é um meio onde há a proliferação de vários hoaxes.
            A origem desta palavra é controversa, mas alguns especialistas em etimologia afirmam que hoax deriva da palavra hocus (usada na expressão hocus pocus, que era proferida como um encantamento por alguns mágicos).
            A palavra hoax também pode ser usada no sentido de enganar alguém com uma brincadeira do estilo "pegadinha".
            A internet é uma ferramenta poderosa de compartilhamento de informação, e potencia igualmente a propagação de informação enganosa. Existem vários tipos de hoaxes, que apresentam estratégias diferentes para enganar as pessoas. Alguns hoaxes são simplesmente boatos com a intenção de criar uma corrente e conseguir o maior número de visualizações, sendo uma forma de spam. No entanto, um hoax pode ter um motivo mais obscuro, de tentar transmitir um vírus informático ou extorquir dinheiro de alguém.”
            Nesse campo, o que mais me intriga é o seguinte: porque alguém “construiria” um “hoax” e o postaria nas redes sociais? A resposta, certamente, seria melhor dada por um psiquiatra ou um psicólogo, nunca por alguém da área jurídica. É óbvio que para nós da área jurídica sempre poderá haver interesse num “hoax”, seja pedindo providências criminais contra o autor, seja requerendo uma indenização por danos morais contra o construtor desse embuste; embora este seja sempre aparentemente anônimo – o que é uma das suas características -, sempre é possível descobrir a sua procedência, pois, felizmente, pode-se saber o IP – “internet protocol” - da máquina onde a tolice foi postada.
            Esses embustes têm algumas característica comuns, a saber:
            a] a pessoa sempre usa o anonimato ou dá um nome totalmente desconhecido e como exemplos podem ser apontados alguns recentes: 1. Aquele que afirmava que o PCC estava sequestrando menores para retirar os seus órgãos. A pessoa que fazia o alerta assim o começava: “todos sabem que eu trabalho em investigação...”. Como todos sabem?  Em que investigação? Qual é o seu nome? Qual é o seu cargo e/ou função? Esse “hoax” foi tão compartilhado que obrigou a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo a emitir uma nota desmentindo-o. 2. Uma pessoa intitulando-se Oswaldo, cognominado “professor” (onde o infeliz dá aulas? de qual disciplina?), disse saber o motivo pelo qual o Molusco não foi preso até agora: tudo o que esse “mestre” disse é de difícil comprovação e ninguém sabe de quem se trata.       
            b] omite de propósito datas e lugares precisos: um desses embustes dizia que num cinema (famoso) de um shopping (mais famoso ainda) uma conhecida dele, cujo nome omitia, tinha sido assaltada. Como se vê, não dizia o nome da rede de salas de cinema, dizia vagamente o nome do shopping (Iguatemi), mas não dizia a data nem a cidade em que o suposto roubo ocorreu. Menos ainda o nome da suposta vítima.
            c] às vezes, mantendo ainda o anonimato, adverte que a Polícia Federal ou qualquer outra polícia lançou um alerta sobre tal ou qual assunto: essas entidades nunca emitem alerta e não precisa ter nível superior de formação para saber isso.
            Em épocas eleitorais, há uma torrencial chuva de “hoaxes” e o partido que foi apeado do poder há pouco tempo era mestre nesse assunto.
            Há, grosso modo, uma forma de tentar desmentir esses embustes: existem dois “sites” que são especializados nisso e um deles é o e-farsas e o outro é o boatos.org.
            De qualquer forma, é sempre salutar, antes de compartilhar algo que têm as características acima descritas ou somente uma, pesquisar nesses dois “sites” ou mesmo no Google a veracidade da postagem.
            De minha parte digo: nada me irrita mais do que receber um “hoax”: existem tantos assuntos mais importantes no uso da internet e pessoas gastam tempo construindo essas besteiras; outros tantos gastam tempo lendo-as e compartilhando-as...

Comentários

  1. Caro Silvio Artur,

    Muito bem escrito, esclarecedor e oportuno: meus parabéns e ab cordial!
    Dolor

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …