Pular para o conteúdo principal

"Mauri"


Ele tinha o perfil do descartado social: morava numa vila popular, daquelas construídas pelos governos militares nos anos 60 e 70 e em regra batizadas com o nome de algum militar: Vila Costa e Silva e Vila Castello Branco, por exemplo. Não trabalhava e sustentava-se cometendo pequenos furtos em residências. O seu “modus operandi” era corriqueiro naquela época, anos 80: no fim de semana, ele e um amigo (comparsa, cúmplice, co-autor, partícipe, seja lá o nome que se lhe dê) dirigiam-se a outro bairro, geralmente nas proximidades do Liceu Nossa Senhora Auxiliadora (coincidentemente, o mesmo bairro em que eu morava – alguns vizinhos receberam a desagradável “visita” desses que outrora eram espirituosamente chamados de “amigos do alheio") para a prática do ilícito patrimonial. Perambulavam pelas ruas observando as casas, escolhendo uma que tivesse o acesso facilitado por ter muro baixo ou ser vizinha de terreno baldio; tocavam a campainha para certificarem-se de que os moradores estavam ausentes e, constatada a ausência, um deles escalava o muro, arrombava uma janela, ganhava o interior do imóvel, dali retirando o que conseguisse carregar, enquanto o outro rapinante permanecia no lado externo, vigiando.
            Foram várias subtrações, mas os nossos caminhos se cruzaram quando ele foi processado sob a acusação de haver participado de um homicídio qualificado. O autor da morte fora um seu companheiro de empreitadas delituosas: fora este quem disparara o revólver contra a vítima. “Mauri” era mero partícipe[1].
            A acusação era a seguinte: dois rapazes no interior de um Fusca pararam para conversar com a pessoa que “Mauri” acompanhava, de apelido “Morrão”.  Este principiou um diálogo com o passageiro do Fusca; “Mauri” estava do lado do motorista, conversando com este. A conversa entre “Morrão” e o passageiro transformou-se em discussão; “Morrão” sacou um revólver e disparou contra o passageiro, errando o alvo. O projétil acertou o motorista, alojando-se na coluna vertebral[2]. O veículo moveu-se um pouco. Imobilizou-se. Ambos, “Mauri” e “Morrão”, fugiram.
            O conteúdo da conversa nunca ficou muito claro: indícios apontavam que o passageiro provavelmente pretendia adquirir droga; outra vertente apontava para a compra de produtos furtados (o que era mais lógico); outra vertente falava em compra de produtos de crime anteriormente ocorrida e não paga: "Morrão" fora o vendedor e o passageiro, o comprador. Mas algo era inconteste: fora “Morrão” o autor do disparo.
            Depois de algum tempo internada – e, se se salvasse, ficaria tetraplégica -, a vítima morreu, por complicações decorrentes do ferimento (mas que não chegaram a se constituir em “causa superveniente relativamente independente”), já em pleno andamento do inquérito policial. Ultimada a instrução, foram ambos pronunciados e designada data para o julgamento pelos sete jurados. A família da vítima contratou um advogado para atuar como assistente do Ministério Público (popularmente chamado de assistente de acusação). O assistente fez prova de que a vítima era uma boa pessoa, esportista e outros atributos, o que, em matéria de julgamento pelo Tribunal do Júri, é muito importante: afinal, os jurados julgam também a vítima.
            Por algum motivo que não vem ao caso expor agora, o julgamento foi desmembrado, tendo sido julgado “Morrão” em primeiro lugar e ele foi condenado por homicídio qualificado, com imposição da pena mínima: 12 anos de reclusão.
            Foi, então, “Mauri” levado a julgamento e a todo custo procurei demonstrar em plenário, atuando em sua defesa, aos 7 jurados que a conduta não podia sequer ser chamada de participação e, para tanto, expus todos os requisitos do concurso de pessoas, conforme maciçamente expõe a doutrina penal brasileira: a) unidade de fato; b) pluralidade de condutas;  c) relevância causal de cada uma; d) liame subjetivo. Depois de explicar cada um dos requisitos, argumentei com os jurados  que não estava presente uma conduta do acusado auxiliano o autor e, assim, concorrendo para o resultado morte. “Mauri” não praticara nenhuma conduta – afinal a prova dos autos demonstrava que ficara conversando com a vítima, que, não se pode esquecer, foi atingida por erro, já que “Morrão” pretendeu acertar o passageiro. Como tese alternativa, trabalhei com a participação de menor importância.
            Foram em vão os meus esforços para conseguir a absolvição: os jurados unanimemente reconheceram que “Mauri” havia de qualquer forma concorrido para o resultado morte, reconhecendo, todavia, que a sua participação foi de menor importância e o juiz presidente do Tribunal do Júri, aplicando a regra contida no artigo 29, § 1º, do Código Penal[3], diminuiu de 1/3 a pena de 12 anos (mínima para o homicídio qualificado), fixando uma pena final de 8 anos.
            A condição da vítima de “bom moço” e os vastos antecedentes de “Mauri” ajudaram na formação da convicção dos jurados para condenar, estou certo.

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume 2, a ser editado.)

[1] . Pela teoria que se analise a conduta de “Mauri”, ele será sempre considerado quando muito participe, ou seja, uma intervenção acessória na prática do crime contra a vida. Analisando-se a sua intervenção sob a ótica da teoria do domínio do fato, posta tão em voga pelo STF no julgamento da AP 470 (“mensalão”), jamais ele poderia ser considerado autor.
[2] . Este erro é tratado pelo Código Penal como “erro na execução” (em latim “aberratio ictus”), artigo 73.
[3]. Se a participação for de menor importância, a pena pode ser diminuída de um sexto a um terço. Embora o verbo seja “poder”, entende a doutrina que se trata de direito público subjetivo do sujeito ativo, ou seja, a pena deve ser diminuída. Aqui não cabe dúvida: se os jurados reconhecerem a participação de menor importância, não poderá o juiz ignorar a decisão dos jurados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …