Pular para o conteúdo principal

O sinalizador, a morte no estádio e a punição do autor

 
            O trágico acontecimento que vitimou um torcedor em pleno estádio em que jogava o Corínthians, na Bolívia, não saiu da mídia desde que se verificou e ganhou novos holofotes quando um menor, de 17 anos, torcedor da agremiação brasileira, apresentou-se como sendo o autor do fato. Desde logo, em sua defesa afirmou que o artefato disparou acidentalmente e que, como muitos já estariam pensando, não assumiu a responsabilidade por ser menor de 18 anos. Façamos algumas reflexões.
            O crime: o local de seu cometimento – a morte deu-se no território boliviano, o que deve fazer com que a sua lei penal seja aplicada ao fato, conforme determina o artigo 1 (“en cuanto ao espacio”), inciso 1 (“a delitos cometidos en el territorio de Bolivia o en los lugares sometidos a su jurisdicción") do Código Penal. Igualmente ao que ocorre no Brasil, a morte é punida e também sob a denominação de homicídio. A sua tipificação está no artigo 251, com a seguinte descrição: “el que matara a otro, será sancionado com  presídio de 5 a 20 anos”. Há, ainda o delito de “asesinato”, que para nós equivale ao homicídio qualificado e que está previsto no artigo 252, com pena de 30 anos de presídio. Também como aqui, há a figura do homicídio culposo, descrito no artigo 260, com a pena de 6 meses a 3 anos de “reclusión”.
            O crime: aplicação da lei – a lei brasileira, como de resto acontece em todos os países do mundo (inclusive na Bolívia, como visto), aplica-se aos fatos ocorridos em seu território, conforme estabelece o artigo 5º (territorialidade), abrindo exceções quando o fato tenha ocorrido fora do território nacional (extraterritorialidade), estabelecendo que se aplica a lei penal brasileira ao crime cometido no estrangeiro “quando cometido por brasileiro”(artigo 7º, inciso II, letra “b”). De outra parte, a “lei maior”, a Constituição da República Federativa do Brasil estabelece, no artigo 5º, inciso LI, que "nenhum brasileiro será extraditado”. Ademais, o Código Penal brasileiro  estabelece que a maioridade penal é atingida aos 18 anos, conforme está no artigo 27; porém, a boliviana prevê que a maioridade penal se dá aos 16 anos.
            Feitas estas primeiras explicações, como o fato ocorreu no estrangeiro e o seu autor, que é brasileiro, fugiu do local, homiziando-se no Brasil, tem-se em primeiro lugar certeza de que ele jamais será extraditado. Em segundo lugar, ele será “julgado” conforme a lei brasileira (aqui no Brasil, claro), ou seja, como se fosse inimputável por menoridade, sendo a ele aplicáveis as “normas estabelecidas na legislação especial”, o que é dizer, no Estatuto da Criança e do Adolescente (lei nº 8.069/90). A medida socioeducativa que essa lei prevê ao fato é a internação por um período não superior a 3 anos, decretada, obviamente, por um juiz de Direito.
            Resta saber se a Justiça boliviana acreditará nas palavras desse torcedor inimputável corintiano ou se julgará que se trata de apenas uma medida tendente a evitar a punição dos 12 torcedores brasileiros que foram presos no dia do fato.  E culmine por punir os 12 ou somente alguns deles ou um apenas. Ou nenhum, se não houver prova a tanto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …