Pular para o conteúdo principal

Sexo (até) debaixo d'água


 
                        Um vídeo postado no Youtube em que um casal mantém relação sexual numa praia de Rio das Ostras ganhou as redes sociais e foi replicado à exaustão. Contrariamente ao que se possa pensar, a cópula não foi na areia, mas dentro d'água e ambos estavam em pé, com a água pela cintura. O casal, após o ato, foi levado à Delegacia de Polícia e ali lavrado o “termo circunstanciado de ocorrência”, já que se trata de infração penal de menor potencial ofensivo, alcançada pela lei que instituiu os Juizados Especiais Criminais (lei nº 9.099/95). É que o caso pode tipificar o crime de ato obsceno, classificado como “contra a dignidade sexual” (Título VI da Parte Especial), capitulado como “ultraje público ao pudor” (capítulo VI), com a seguinte dicção: “praticar ato obsceno em lugar público, aberto ou exposto ao público”. A pena cominada é a de detenção, de 3 meses a 1 ano, ou multa.
                        Sem esquecer que o Código Penal, em sua Parte Especial (a que descreve os crimes e comina as penas), é do ano de 1940, tendo entrado em vigor a 1º de janeiro de 1942, sempre houve uma grande dificuldade na interpretação judicial do conteúdo de fato do crime de ato obsceno. Desde logo, pode-se afirmar que há unanimidade num ponto: o ato que se pretende conteúdo do delito há de ser um movimento corporal e que tenha conotação sexual, ou seja, que envolva manifestação de sexualidade, não bastando um mero gesto obsceno (fazer “dedo de ginecologista” [ou urologista], como alguns mal-educados fazem amiúde, no trânsito não é ato obsceno).
                        Essa dificuldade na conceituação pode ser constatada com uma simples “vista d’olhos” no “Manual de Direito Penal”, de Julio Fabbrini Mirabete, volume 2, quando comenta o delito em questão e faz uma resenha dos fatos já julgados, alguns histriônicos: casal que se beijava fogosamente no interior de um veículo. Na década de 70, em alguns lugares do mundo era praticado o “streaking”: uma pessoa “nua em pelo” passava em disparada por um local de grande afluência de público. Lógico que teve repercussão no Brasil e aqui tomou o nome de “chispada pelada”. Alguns outros exemplos catalogados por Mirabete: apalpar as nádegas ou os seios de alguém (com o consentimenro do [a] apalpado [a], pois senão poderá configurar outro ilícito penal: importunação ofensiva ao pudor, quiçá - numa interpretação mais ampla - estupro); andar o travesti com o corpo seminu; e a própria "chispada pelada".
                        Mas o ato que tirou o sono dos aplicadores da lei penal foi a micção praticada por homem em público: como há obrigatoriamente a exibição da genitália, considerava-se ato obsceno. Diz Mirabete: “a micção é ato natural, mas, quando praticada em via pública, com exibição do pênis, é indiscutível que ofende o pudor público, representando conduta censurada pelo consenso comum”(página 458). Fico imaginando como seria possível a micção sem exibição do pênis: somente se fosse feita na calça ou com uma sonda ou um tubo... No meu livro “Casos de júri e outros casos” há o relato de um  processo em que atuei em que a pessoa foi condenada por ato obsceno por estar urinando num terreno baldio.
                        A praia é um lugar público, conformando-se portanto ao tipo penal; a cópula carnal, se feita em público, serve como conteúdo do tipo. Porém, o vídeo não mostra as genitálias, apenas os gestos, o vai-e-vem principalmente do varão envolvido na fornicação. Como se trata de infração penal de menor potencial ofensivo, os envolvidos poderão aceitar a transação penal, com a imediata imposição de pena de multa ou de pena restritiva de direitos, o que impedirá a discussão profunda do fato.
                        Não contente com a repercussão da postagem do vídeo, a mulher fez dois vídeos, um somente com ela, outro com seu atual companheiro (não era o participante do ato...), e postou-os no Youtube. Não fizeram tanto sucesso quanto o inicial; seguem abaixo os links dos três para que os leitores os assistam e tirem as suas conclusões. 
Bom divertimento.

 http://youtu.be/i2O5mInx4YQ

http://youtu.be/tgKFCaXGh38
http://youtu.be/Y6EZ0PscsJg

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto