Pular para o conteúdo principal

Renan e o crime de desobediência



      RENAN - Que Renan Calheiros é um dos últimos (e lídimos) representantes do coronelismo político do nordeste brasileiro, não resta dúvida. Daquela safra de políticos que usam a coisa pública como se fosse privada – em todos os sentidos. Sobreviveu a vários governos, foi assessor de seu (então) amigo Fernando Collor de Mello, o primeiro presidente na História do Brasil a ter o mandato abreviado por meio de “impeachment” (Dilma foi a segunda nessa honraria). Por incrível que pareça, foi ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso, por somente um ano, tornando-se assim Renan, o Breve. Descobriu-se que ele tinha uma filha fora do casamento e que ela era sustentada por donos de empreiteira. Presidente do Senado da República (e do Congresso Nacional: Senado + Câmara), ameaçado de ser processado perante os seus pares, renunciou, aplicando a máxima “soltar os anéis para preservar os dedos”. Para tentar dar ares de legalidade aos pagamentos, simulou várias transações que lhe valeram uma investigação: foi esta que resultou no recebimento da denúncia pelo crime de peculato pelo STF no dia 1° de dezembro de 2016. Entremeando essas peripécias, há uma no mínimo folclórica: usando um jato da FAB, viajou para fazer um implante capilar (que, ao que aparece nas fotos, foi proveitoso; porém, a viagem em si lhe causou mais uma dor de cabeça e ele se viu obrigado a reembolsar o Estado pelo gasto da viagem).  Sobre este acontecimento escrevi, neste mesmo espaço, "Mais uma cabeluda do Renan"(ver o "link" abaixo).
      O CRIME DE DESOBEDIÊNCIA – O crime de desobediência é classificado no Código Penal brasileiro como um crime praticado por particular contra a Administração Pública (Capítulo II do Título XI da Parte Especial). O seu teor (artigo 330) é este: “desobedecer a ordem legal de funcionário público”. Caberia um exame de cada um dos elementos do tipo, mas me fixarei somente num, que, a meu ver, é o mais importante: a legalidade da ordem. Esta é analisada pela doutrina penal sob dois aspectos: material (ou substancial) e formal. Comentando esse componente (a legalidade), diz Nelson Hungria (que foi ministro do STF) que: “a ilegalidade do ato para autorizar a resistência[1], pode apresentar-se sob o ponto de vista material (ex.: busca pessoal sem a fundada suspeita que a autorize) ou formal (ex.; falta de competência do funcionário que expede a ordem ou executa o ato...)...”[2]. O Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal estabelece, no artigo 5°, inciso I, que compete ao Plenário (os onze ministros, portanto) julgar, entre outros entes políticos, o Presidente do Senado Federal. Antigamente, o plenário era o competente para julgar qualquer das pessoas que tivessem “foro privilegiado”[3], porém, o regimento foi emendado (no ano de 2014) para que o pleno julgasse apenas algumas das autoridades, entre as quais o Presidente do Senado e o Presidente da Câmara. Foi somente por estrito cumprimento do regimento que o plenário reuniu-se para determinar o afastamento do Presidente da Câmara, o ex-deputado (e hoje “inquilino” da carceragem da Polícia Federal em Curitiba), Eduardo Cunha. Portanto, não pode um ministro determinar o afastamento, ainda que seja liminarmente, de qualquer das pessoas enumeradas no inciso I do artigo 5° do RISTF porque ele não é o competente para julgá-lo: a competência é do tribunal pleno (radicalmente, poder-se-ia dizer que houve uma usurpação de função). E resistir ou desobedecer uma ordem ilegal é uma situação que se aproxima da legítima defesa, uma excludente da ilicitude do fato que ocorre amiúde: afinal, uma ordem ilegal equipara-se a uma agressão injusta, podendo, então, contra quem ela é expedida defender-se.
      Como se vê, não houve o crime de desobediência, visto que era ilegal a ordem porque foi emanada de autoridade incompetente.
http://silvioartur.blogspot.com.br/2013/12/mais-uma-cabeluda-do-renan.html

[1] . Quando comenta o crime de desobediência, ele usa os mesmos argumentos utilizados nos comentários ao crime de resistência.
[2] . Comentários ao Código Penal, volume 9, página 414.
[3] . O nome correto é “prerrogativa de foro”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto